|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Hora da Verdade

"Temos de nos preparar para uma conjugação entre ensino à distância e presencial" no próximo ano letivo

21 mai, 2020 - 00:00 • Eunice Lourenço (Renascença) e Andreia Sanches (Público)

Ministro da Educação diz que “a recuperação das aprendizagens” menos consolidadas deste ano “tem de ser um dos pilares fundamentais no regresso às aulas” em setembro.

A+ / A-

Veja também:


O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, afirma que alunos, professores, encarregados de educação e tutela têm de se "preparar para uma conjugação entre ensino à distância e presencial" no próximo ano letivo de 2020/2021.

Em entrevista à Renascença e ao jornal "Público", Tiago Brandão Rodrigues diz que “a recuperação das aprendizagens” menos consolidadas deste ano “tem de ser um dos pilares fundamentais no regresso às aulas” em setembro.

Já disse que o ano letivo arranca em setembro. Há uma data concreta?
Estamos a trabalhar, em momento próprio aparecerá.

Vão ser dadas orientações às escolas para no início do ano recuperar a matéria que ficou para trás?
Tem de haver uma avaliação de tudo aquilo que não foi consolidado ou tão bem ensinado. A recuperação das aprendizagens tem de ser um dos pilares fundamentais no regresso às aulas.

Vão ser aulas presenciais, à distância ou um sistema misto?
Vamos estar condicionados pela nossa capacidade de produzir uma vacina, pelas respostas farmacológicas, pela reação do vírus, tudo isso… o que entendo é que vamos estar mais preparados para um segundo surto do que estávamos. Temos de construir vários cenários: um cenário em que ao vírus está aí mas não tem uma penetração na sociedade que nos obrigue a fazer o que fizemos nesta onda, e outros cenários…

As metas curriculares vão ser suspensas?
Vamos falar antes de aprendizagens essenciais e no perfil do aluno. Elas estão em vigor. Temos necessariamente, neste contexto diferente, de repensar o processo e termos também adaptações tanto no processo ensino-aprendizagem como nas avaliações, agora é muito importante que tudo seja feito em conjugação com as escolas, com as comunidades educativas, com os professores. E temos que nos preparar para em Setembro — ou não em Setembro mas se calhar em Outubro, ou Novembro — termos o que os ingleses designam por B-learning, uma conjugação entre ensino à distância e ensino presencial.

"Temos de construir vários cenários" para o proximo ano letivo, diz ministro da Educação
"Temos de construir vários cenários" para o proximo ano letivo, diz ministro da Educação

Com esse sistema misto, vamos precisar de mais professores? Durante anos, até pela diminuição da população escolar, fomos diminuindo...
Obviamente que nos anos 60 tínhamos 215 mil, 220 mil pessoas a entrar no 1.º ano da primária e agora temos 87 mil, 89 mil a entrar no 1.º ano do 1.º ciclo. Mas houve sistematicamente, até no XIX Governo Constitucional [Passos Coelho], uma clara opção pela diminuição do número de professores nas escolas. Conseguimos contrariar essa opção. E em nenhum momento diminuiremos o esforço. Se no próximo ano precisarmos de um corpo docente robusto ele existirá, como existiu ao longo dos últimos quatro anos. Agora não posso dizer agora que vamos precisar de mais dez ou 20 professores.

Outra coisa necessária para o sistema misto de que falou são equipamentos, computador e acesso a Internet, para os alunos. Há grandes desigualdades de acesso a estes equipamentos. Quantos alunos não tiveram meios para ter ensino à distância?
Fomos ultrapassados pela realidade dos dias. Quando fazíamos a recolha do número de alunos que não tinham conectividade e máquinas víamos as autarquias a trabalhar e muitas escolas (foram adquiridas muitas máquinas com fundos comunitários nos últimos três anos para as escolas) a trabalhar e muitas dessas máquinas estiveram e estão na posse desses alunos. Falou-se que dos cerca de 1,2 milhões de alunos, 50 mil não teriam acesso a computador ou meios de acesso, o que acontece é que esse número foi sendo reduzido.

Vamos ter um novo programa Magalhães 2, com distribuição direta de portáteis?
Nunca referi esse programa. O que está a ser feito é um programa para que as escolas possam estar dotadas de recursos para que os nossos alunos possam ter conectividade através do ensino à distância.

Os meios são então para as escolas e não para os alunos?
Esse programa está a ser construído e oportunamente terão os elementos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Isabel Pina
    04 jun, 2020 Olhão 01:48
    Não deixem os professores ficarem sem emprego por causa de novas tecnologias já basta a crise da fome que muitas pessoas ficaram na indústria hoteleira e outras pais e mães no mesmo trabalho.
  • Petervlg
    22 mai, 2020 Trofa 09:32
    É tão fácil falar, sem dar condições. qualquer empresa que esta com os funcionários a trabalhar em tele trabalho, dá ferramentas aos seus empregados para o fazer. O estado deu ferramentas aos professores para fazerem, tele trabalho?
  • Anabela Carnide
    22 mai, 2020 Leiria 08:57
    Se fomentam a ida restaurantes onde não se usa máscara, abertura de creches e aviões com lotação máxima, porque que não aulas todas presenciais com máscara? Falta de bom senso.
  • 22 mai, 2020 portugal 03:31
    As aulas passaram para online à distância, com as desigualdades e desvantagens conhecidas, com atraso, demorou para tudo começar a funcionar bem. Tendo em conta tudo isso, toda a situação extraordinária, não se alarga o calendário escolar? Enfim, agora que está tudo mais ou menos nos eixos, vamos terminar o ano letivo. Durante o verão vão todos para as praias, depois em outubro voltamos à quarentena e às aulas à distância, porque vai calhar assim e não se faz nada quanto a isso… Vamos aproveitar os meses de verão para fazer nenhum. Faltou coragem para fazer as férias grandes em abril/maio/junho e fazer o 3º período presencial no verão. Isso teria sido o correto a fazer. As aulas à distância não são mais que estarmos a enganar os outros e a nós próprios.