|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Liga de Clubes

Guilherme Aguiar: "Futebol vive num clima de golpadas e habilidades"

21 mai, 2020 - 14:45 • João Fonseca

O primeiro diretor executivo da Liga fala do possível cenário de saída de Pedro Proença. Aguiar desconfia dos clubes e elogia Fernando Gomes, presidente da FPF, pelo modo como se posicionou na defesa dos interesses dos clubes profissionais.

A+ / A-

O cenário de uma possível saída de Pedro Proença da liderança da Liga de Clubes é, para Guilherme Aguiar, uma incógnita. Em declarações a Bola Branca, aquele que foi o primeiro diretor-executivo da entidade organizadora das competições profissionais assinala que o futebol português atravessa "um clima de golpadas e habilidades".

Os clubes profissionais reúnem, esta quinta-feira, com Pedro Proença. Guilherme Aguiar considera ser complicado adivinhar o que irá suceder, já que os clubes parecem estar sob "o efeito da pandemia".

"Não sei o que é que eles [clubes] pensaram, quando há menos de um ano votaram 90% na recondução do atual presidente da Liga e agora já pedem a sua demissão", questiona o antigo dirigente da Liga.

Guilherme Aguiar fala de falta de coerência, embora compreenda que haja "razões de queixa" para com Proença, que dirige um organismo "sem rumo, sem política definida". Na sua opinião, o atual presidente da Liga é um líder "forte com os fracos e com os fortes, já não é assim tão forte".

O antigo dirigente espera clubes "com alguma na manga", mas fala de "um folclore" de Proença ao antecipar para 6 de junho uma assembleia geral extraordinária. Situações que demonstram que, em vez de se trabalhar para a união, a Liga deixou de ser "uma alcateia de lobos" que se juntava "para se salvar", passando a ser "uma alcateia de hienas, porque cada um chia para seu lado".

Elogios para Fernando Gomes


No meio de tanto mau estar, Guilherme Aguiar elege o presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, não como um salvador, pois "o futebol está à beira do abismo", mas como a personalidade que "surgiu no meio desta anomalia".

O ex-diretor executivo da Liga reforça que a posição marcada pelo presidente federativo "foi condutor" num processo que levou a Direção-Geral da Saúde a "engolir alguns sapos" para autorizar jogos, mesmo que à porta fechada.

Sem competição, os patrocinadores e os detentores de direitos televisivos "não pagarão aos clubes" e isso levaria a maioria "à falência total".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.