|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Cova da Piedade promete levar Pedro Proença a tribunal

21 mai, 2020 - 18:15 • João Fonseca

O clube da margem sul do Tejo não aceita a decisão tomada de terminar o campeonato. Edgar Rodrigues culpa o presidente da Liga e fala em "cozinhado para fuzilar" Cova da Piedade e Casa Pia.

A+ / A-

O Cova da Piedade vai responsabilizar Pedro Proença em tribunal, pela descida de divisão, sem que o campeonato tenha sido concluído.

A Bola Branca, Edgar Rodrigues, diretor desportivo do clube da margem sul assegura que irão "até às últimas instâncias" para responsabilizar quem cometeu "um conjunto de irregularidades", numa reunião de direção, diz, "sem poderes" para deliberar um final de campeonato sem que fossem concluídas todas as jornadas.

O dirigente afirma que tudo fez parte de "um cozinhado" que serviu para "despachar dois clubes e promover outros dois".

Mais, Edgar Rodrigues considera mesmo que Cova da Piedade e Casa Pia "foram fuzilados" e vitimas de um "conjunto de situações" que levaram a um desfecho indesejável.

O emblema do concelho de Almada sente que "nunca lhe foi dita a verdade" e que Pedro Proença "despachou" duas equipas que tinham capacidade para lutar pela permanência na II Liga.

"Parece que houve pressa em fazer isto. O porquê? tem que lhe perguntar", disparou o dirigente do Cova da Piedade.

Edgar Rodrigues recusa alinhar esta posição com a pressão posta, nas últimas horas, à liderança do presidente da Liga. Acentua a necessidade de encontrar justiça e de evitar que o futebol português volte a "mostrar vontade de pagar indemnizações", como aconteceu noutros tempos com Gil Vicente e Boavista, deixando a fatura "para quem vem atrás".

"Isto não se faz de forma leviana como o fez a Liga e Pedro Proença", conclui o dirigente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.