|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

O recuo da globalização e Portugal

21 mai, 2020 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A atual tendência para a globalização recuar apresenta riscos sérios para a economia portuguesa. A restrita dimensão do mercado interno nacional obriga-nos a exportar.

A pandemia veio acelerar a tendência para o mundo recuar na globalização, o que já se fazia sentir com o protecionismo de Trump e as guerras comerciais com a China. O coronavírus evidenciou a necessidade de segurança de abastecimento em áreas como os medicamentos e acentuou as vantagens ecológicas da proximidade do produtor, sobretudo agrícola.

Mas a economia portuguesa poderá ser muito prejudicada se forem longe demais os obstáculos à livre circulação de pessoas e bens. O mercado interno português é de pequena dimensão, insuficiente para permitir a rendibilidade da maioria de empresas que não sejam PME (pequenas e médias empresas). Por isso é vital que essas empresas tenham acesso a mercados de maior dimensão. A exportação é indispensável.

O sonho de uma economia agrícola, mais ou menos autossuficiente e fechada ao exterior (embora o problema do trigo obrigasse a importações), foi certamente alimentado pelo regime de Salazar. Mas a necessidade de o país se industrializar rebentou com essa fantasia.

Na década de 50 do séc. XX, os empresários e gestores industriais fizeram grande pressão sobre o regime salazarista para Portugal ter acesso a mercados externos. Por isso, a contragosto do poder então vigente, Portugal conseguiu, em 1960, ser membro fundador da EFTA (Associação Europeia de Comércio Livre). E uma vez regressado o país à democracia, com o 25 de Abril, Mário Soares solicitou a adesão à então CEE (Comunidade Económica Europeia), hoje UE (União Europeia), adesão que se concretizou em 1 de janeiro de 1986.

Como é sabido, a UE atravessa hoje uma crise séria, correndo o risco de fragmentação. Mas importa, pelo menos, salvar o mercado único europeu – com as suas quatro liberdades, de circulação de pessoas, mercadorias, serviços e capitais. A pandemia suspendeu, em vários casos, a livre circulação de pessoas na UE, o que se compreende – mas essas barreiras começam agora a ser eliminadas.

Depois da crise da “troika” muitas empresas portuguesas notabilizaram-se pelos seus sucessos exportadores. Agora, algumas dessas e de outras empresas poderão encontrar obstáculos em mercados como o norte-americano. Mas é essencial que o mercado único europeu permaneça aberto e seja completado, em particular na área dos serviços. Até porque, sem isso, muito dificilmente um investidor estrangeiro colocará um cêntimo em Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.