Tempo
|
A+ / A-

TAP pode ser "um outro Novo Banco no pós-pandemia"

19 mai, 2020 - 19:55 • André Rodrigues

Economista João Cerejeira defende que cenário de dissolução da empresa "não passará de um mero trunfo do Governo" para negociar com os privados, mas destaca a elevada dívida da transportadora aérea, que ascende a 3,3 mil milhões de euros, juntando os contratos de ‘leasing’ de aviões.

A+ / A-

Veja também:


O economista João Cerejeira admite que o Governo poderá estar a usar o cenário de insolvência na TAP para obrigar os privados a aceitar as exigências do Estado, para avançar com uma injeção de dinheiro público na companhia aérea. O especialista também admite que, com uma dívida total de 3,3 mil milhões de euros, a TAP pode tornar-se, quase, "noutro Novo Banco no pós-pandemia".

Comentando na Renascença as declarações do ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, esta terça-feira, no Parlamento, o professor de economia da Universidade do Minho considera que, "neste caso, a dissolução da empresa não passará de um mero trunfo que o Governo quererá levar para a negociação com os privados".

João Cerejeira defende que o Estado não tem interesse na falência da transportadora aérea nacional.

"Parece mais uma medida de força que não deverá gerar qualquer consequência prática, ou seja, não será expectável que o Estado deixe falir a TAP", tal como acontece no resto da Europa.

A título de exemplo, este especialista refere que "é exatamente o que está a acontecer com a Lufthansa, com a Air France e com a Alitália. Não é de esperar que os governos dos outros países deixem cair as suas companhias na falência".

No entanto, João Cerejeira lembra que "a falência de uma companhia aérea não seria, propriamente, novidade. Foi o que aconteceu há uns anos na Suíça e na Bélgica".

No caso português, Cerejeira avisa que a situação da TAP é demasiado delicada, do ponto de vista financeiro, para o Estado português.

Com uma dívida total de 3,3 mil milhões de euros, "é quase como se a TAP fosse um outro Novo Banco no pós-pandemia, a sorver recursos públicos num prazo relativamente curto. E pode não haver margem orçamental para isso", sublinha o economista.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação disse esta terça-feira que o Estado vai partir para uma negociação com a TAP e que não se pode excluir qualquer cenário para a companhia aérea, inclusivamente a insolvência.

"O Estado não pode estar capturado, algemado numa negociação com privados”, defendeu Pedro Nuno Santos, na Comissão Parlamentar de Economia e Finanças.

De acordo com o ministro, a TAP tem uma “dívida brutal”, que ascende a 3,3 mil milhões de euros, juntando os contratos de ‘leasing’ de aviões.

[notícia corrigida - 3,3 e não 2,3 milhões de euros]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Observador
    19 mai, 2020 Cá 20:29
    Claro que sim, que pode. Levaram 20 000 Milhões de Euros dos nossos impostos "emprestadados" à Banca. "Eles" têm algum problema em meter mais 2300 Milhões de Euros na TAP? Não é dinheiro deles e já se viu que o Povo não vem para as ruas, protestar ...