|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

António Costa: Milhões podem ser recuperados em caso de falhas de gestão no Novo Banco

20 mai, 2020 - 18:53 • Lusa

Fundo de Resolução “tem toda a legitimidade” para agir e tentar recuperar o dinheiro injetado, afirma o primeiro-ministro.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, defende que se a auditoria ao Novo Banco vier a revelar falhas de gestão que injustifiquem as injeções de capital, o Fundo de Resolução “tem toda a legitimidade” para recuperar o dinheiro.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, arrancou o debate quinzenal de hoje com a questão do Novo Banco por considerar necessário saber o que mudou para que “uma auditoria que era indispensável agora ser dispensável”, deixando uma pergunta a António Costa: “quando a auditoria for conhecida, como é? se tiver sido mal gerido o Novo Banco, vamos lá buscar o dinheiro?”.

Em resposta, o primeiro-ministro começou por distinguir “os diferentes intervenientes” do Estado.

“Se pelo Estado se refere ao Fundo de Resolução, que é quem tem feito as injeções de capital no Novo Banco, não tenho a menor das dúvidas de que, se a auditoria vier a dizer que o banco cometeu falhas de gestão que injustificavam as injeções que forem feitas, o Fundo de Resolução tem toda a legitimidade para agir no sentido da recuperação do dinheiro que desembolsou e que não tinha que desembolsar”, considerou.

Costa foi mais longe e disse mesmo estar “aliás desconfiado” sendo o Fundo de Resolução financiado pelos outros bancos, “concorrentes do Novo Banco”, que estes “não estejam propriamente disponíveis para financiar a má gestão do Novo Banco”.

No que diz respeito ao “Estado-Governo”, o papel que este tem, de acordo com o primeiro-ministro, “não é injetar dinheiro no Novo Banco, é emprestar dinheiro ao Fundo de Resolução”.

“Se depois o dinheiro que o Fundo de Resolução injetou no Novo Banco foi mal injetado e isso vier a ser verificado na auditoria, com certeza que o fundo de resolução terá de retirar daí as necessárias ilações”, apontou.

A intervenção de Catarina Martins começou por apontar a “belíssima autocrítica do PSD” em relação ao Fundo de Resolução, referindo-se à intervenção que o líder social-democrata tinha feito no mesmo debate quinzenal, mas considerou que esta autocrítica “sabe a pouco e é um pouco hipócrita” uma vez que o partido não aprovou as propostas do BE do Orçamento do Estado sobre os limites destas injeções.

Na perspetiva da líder do BE, “os problemas de falha de comunicação” sobre esta injeção “não são só sobre a data, mas também sobre o montante”.

Catarina Martins reiterou a decisão “muito importante” tomada pelo Governo em 2019 para que fosse feita uma auditoria ao banco, tendo o executivo dito então – “e bem”, para a bloquista – que essa “auditoria era indispensável”.

“E o senhor primeiro-ministro - e bem - disse aqui no dia 22 de abril que a auditoria que seria concluída em julho e era fundamental para as decisões que tinham que ser tomadas e no dia 8 de maio repetiu que sem o resultado da auditoria não havia reforço do empréstimo”, recordou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.