|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

UE: ​Alemanha e França propõem fundo de recuperação de 500 mil milhões

18 mai, 2020 - 18:55 • Cristina Branco com agências

Macron e Merkel propõem à UE fundo de recuperação de 500 mil milhões de euros. As verbas destinam-se aos países e setores mais afetados pela pandemia de Covid-19.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente francês e a chanceler alemã anunciaram, esta segunda-feira, numa conferência de imprensa conjunta, um acordo para lançar um fundo de 500 mil milhões de euros para financiar a recuperação económica dos países mais afetados pela crise provocada pela covid-19.

“É uma solução de curto prazo”, explicou Angela Merkel, através de videoconferência, em conjunto com Emmanuel Macron, sublinhando que “temos de atuar de forma europeia para sair desta crise”. Uma solução que não passa por empréstimos, mas, sim, subvenções aos países afetados. Por isso, os beneficiários não terão de reembolsar as ajudas.

Esta proposta será integrada no plano de recuperação que está a ser preparado pela Comissão Europeia, no valor de dois biliões de euros.

A chanceler alemã explicou que os fundos serão levantados em conjunto pela Alemanha e França nos mercados financeiros sendo distribuídos pelos Estados-membros mais afetados e esclareceu que o seu custo será proporcional à contribuição de cada país para o Orçamento comunitário.

A proposta terá de ser aprovada pelos 27 Estados-membros da União Europeia.

O objetivo é “apoiar uma recuperação sustentada que restabeleça e reforce o crescimento na UE”, refere o comunicado de imprensa conjunto da Alemanha e França.

A Comissão Europeia apresenta as propostas do orçamento plurianual da UE para 2021-2027 e do fundo de recuperação da economia europeia no dia 27 deste mês.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.