Tempo
|
A+ / A-

Wuhan volta a permitir grupos a dançar na rua

17 mai, 2020 - 08:11 • Reuters

Bloqueio de 76 dias à cidade Wuhan terminou em 8 de abril, e a cidade está a recuperar lentamente, na esperança de que o pior já passou. Autoridades temem uma segunda vaga do surto, depois de na semana passada seterem verificado novos casos.

A+ / A-
Habitantes de Wuhan voltam a dançar na rua
Habitantes de Wuhan voltam a dançar na rua

Veja também:


A usar máscaras e mantendo cerca de um metro de distância, homens e mulheres em Wuhan, cidade chinesa que foi o epicentro do surto da pandemia do Covid-19, puderam dançar novamente numa noite de sábado à beira do rio Yangtze.

O bloqueio de 76 dias de Wuhan terminou em 8 de abril, e a cidade está arecuperar lentamente, na esperança de que o pior já passou, mas preocupada com o surgimento na semana passada de alguns novos casos do vírus. Mas se a maioria das grandes reuniões dentro de espaços fechados ainda é proibida, as pessoas começam a recuperar as suas vidas diárias e hobbies, que em muitas partes da China incluem danças onde se juntam grupos de várias pessoas, geralmente à noite em praças públicas, praças ou parques.
Na noite de sábado, mais de cem pessoas a usar máscaras dançaram numa avenida ao ar livre à beira-rio no centro de Wuhan, enquanto os altifalantes tocavam de tudo, desde música eletrónica até pop japonês. Alguns dançaram em pares. Outros moviam-se em sincronia com as rotinas de dança coreografadas.

"É muito difícil respirar ao usar a máscara para dançar e não nos conseguimos livrar da transpiração, mas estou muito bem disposta, porque podemos finalmente estar juntos", disse Zhang Jing, 42, acrescentando que havia voltado ao grupo de dança no começo de maio.

Ainda assim, as preocupações com o vírus permanecem."Ainda me sinto um pouco constrangido (a dança) não se sente tão livre com uma máscara, e tenho um pouco de medo de que possa haver uma infecção cruzada", disse Fang Yuanyuan, 50.
O COVID-19 atingiu Wuhan pela primeira vez no final do ano passado e a cidade tornou-se o epicentro do surto da China, sendo, segundo as estatísticas por cerca de 80% dos casos de coronavírus do país, mas o bloqueio rigoroso ajudou a suster novas infecções.

Na semana passada, no entanto, a cidade relatou oprimeiro grupo de novas infecções desde que o bloqueio foi suspenso, alimentando os temores de uma segunda onda e levando as autoridades a lançar uma campanha para testar todos os 11 milhões de residentes do coronavírus.

A China continental registrou cinco novos casos confirmados de COVID-19 em 16 de maio, abaixo dos oito do dia anterior, informou a Comissão Nacional de Saúde (NHC) em comunicado no domingo.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.