Tempo
|
A+ / A-

Há artistas a passar fome em Portugal, denuncia ator Nuno Lopes

15 mai, 2020 - 06:30 • Maria João Costa

No dia em que se estreia na série “White Lines”, da Netflix, o ator português Nuno Lopes diz que “é muito preocupante o momento que vivemos”.

A+ / A-

Veja também:


Reconhece que é um privilegiado, mas Nuno Lopes está preocupado com a forma como a classe artística tem sido afetada pelos efeitos secundários da pandemia de Covid-19.

Em entrevista à Renascença, o ator que se estreia esta sexta-feira na série “White Lines”, no serviço de streaming Netflix, faz uma denúncia: “há muitas pessoas da minha classe que estão neste momento em situação de fome, mesmo!”

Nuno Lopes, que representa o papel de Boxer na série realizada por Álex Pina, o mesmo produtor da famosa “Casa de Papel”, alerta que “é muito preocupante o momento que vivemos”.

O artista fala numa “situação horrível” e lamenta o constante estado de precariedade, agravado pela pandemia de Covid-19. “A classe cultural em Portugal já é precária desde sempre, pior fica quando há uma crise e quando não temos sequer a condição de intermitentes, como há noutros países”, fala Nuno Lopes da experiência do que vê lá fora.

O ator alerta para o facto de estes profissionais não terem “sequer direito a subsídio de desemprego”. Segundo Nuno Lopes, esta precariedade “significa, que quando não estão a trabalhar, como agora, porque não podem, não têm como ganhar a vida”. É por isso que o ator que tem vindo a ganhar destaque na cena internacional, afirma, sem sombra de dúvidas, que “há muitas pessoas” da classe artística “que estão neste momento em situação de fome”.

Preocupado, mas considerando-se um “privilegiado” nesta fase, Nuno Lopes também viu o seu trabalho afetado. “Tive de parar um filme que estava a fazer com o Marco Martins. Voltamos para Portugal e como as condições monetárias que a cultura tem nunca são grandes, estamos neste momento a perceber como é que podemos continuar”, conta o ator.

Nuno Lopes, que nesta fase da carreira está a gostar do desafio de fazer televisão, diz que “tem sempre saudades do palco”. O ator conta que o projeto cinematográfico com o realizador Marco Martins já tinha “cenários construídos, viagens pagas com o pouco dinheiro que havia para fazer o filme”, por isso questiona-se sobre como e quando poderão voltar às rodagens.

Nuno Lopes lembra ainda que “tinha um outro projeto em França” e esse vai depender também da reabertura das fronteiras “e de como será a evolução do vírus no mundo”.

A pandemia de Covid-19 tem afetado muito o setor das artes, um inquérito recente promovido pela Fundação GDA (Gestão dos Direitos dos Artistas) revelava que a maioria dos espetáculos cancelados desde março, devido à Covid-19 eram de música e que “por cada espetáculo cancelado ficaram sem rendimento, em média, 18 artistas, 1,3 profissionais de produção e 2,5 técnicos”.

Até 31 de março, segundo os dados recolhidos pelo inquérito foram cancelados 4.287 espetáculos, sendo que, 69%, ou seja 2.964 eram de música, 1.048 de teatro e 100 de dança. O inquérito mostra também que foram cancelados outros 175 espetáculos “de outra natureza”.

Também a Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE), já veio dizer que foram adiados cerca de 27 mil espetáculos entre março e final de abril.

Na quarta-feira, Marcelo Rebelo de Sousa recebeu o Movimento pelos Profissionais do Palco que apontou ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, as dificuldades vividas pelos profissionais das artes e sobretudo a preocupação com as incertezas futuras.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel
    17 mai, 2020 Valadares-V.N.Gaia 13:35
    Isto faz-me rir. Sim porque até aqui víamos quase diariamente nos jornais e revistas estes senhores em praias paradisíacas a passar boas férias como que a brincarem com os portugueses que ganham o salario mínimo e outros pouco mais. Agora coitados passam fome... O tanas é que tenho pena deles que façam como eu guardem umas migalhas para o futuro. Eu não tenho dinheiro para ir para essas praias nem para esses países. Coitado é de mim.
  • Ivo Pestana
    17 mai, 2020 Funchal 13:26
    Pois, infelizmente não são apenas artistas. Muitos seres humanos passam fome. Muito triste e temos de ajudar como podermos. Obrigado
  • mew2
    16 mai, 2020 15:19
    Coitadinhos.. Habituados à má vida
  • Rabo
    15 mai, 2020 Lisboa 19:29
    Aguentem, têm o governo que merecem. Burros como as portas, votam sempre nos mesmos ladrões
  • Joana Santos
    15 mai, 2020 Lisboa 17:59
    Os únicos actores que ainda escapam a esta crise são os actores das novelas com contrato de exclusividade. Podem perder algum dinheiro, mas ainda mantém os postos de trabalho e a qualquer momento voltam a gravar as novelas.