|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

António Costa: "Com a mesma determinação com que nos fechámos, temos de voltar à rua"

16 mai, 2020 - 12:51 • João Carlos Malta

Numa visita à Baixa de Lisboa, na companhia do presidente da autarquia, Fernando Medina, o primeiro-ministro falou com comerciantes da zona e pediu aos portugueses para responderem ao esforço que os empresários estão a fazer. Para isso, há que retomar a vida na rua, ainda que com precauções.

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro, António Costa, apelou este sábado aos portugueses para voltarem às ruas e ajudarem os comerciantes na reabertura dos espaços, contribuindo para reanimar a economia.

"Com a mesma determinação com que nos fechámos em casa, temos de voltar à rua", disse o líder do Governo, no fim de um passeio pela baixa de Lisboa, na companhia do presidente da autarquia da capital, Fernando Medina. A ideia foi aferir a forma como os empresários estão a preparar a retoma depois da quarentena.

Costa diz que é altura de os portugueses iniciarem uma nova fase no combate à pandemia de Covid-19 e voltarem a frequentar os espaços comerciais, como lojas, restaurantes e cafés, que durante dois meses estiveram fechados. Sempre respeitando a etiqueta respiratória, o afastamento social, e o uso de máscaras. "Há que ter uma vida nova com cautelas", enfatizou.

O chefe do executivo reforçou várias vezes a ideia de que os cidadãos devem dar um sinal de que participam no esforço coletivo de recuperar a economia portuguesa, que se prevê que caia vertigionosamente este ano. "Não nos podemos deixar vencer pelo vírus, mas também não o podemos fazê-lo pela cura", pediu António Costa.

O primeiro-ministro diz que, neste momento, há "empregos a manter" e "rendimentos a proteger", e, por isso mesmo, com segurança e cautelas, é necessário que haja a retoma das ruas, das lojas e dos cafés.

Questionado pelos jornalistas presentes no local se este processo não pode estar a ser feito rápido demais, Costa contrapôs com o civismo que os portugueses demostraram até agora. O governante disse que é necessário "responder ao enorme esforço que estes comerciantes fizeram".

O primeiro-ministro salientou que foi "muito duro" para os comerciantes "fechar de um dia para o outro", quando a 16 de março foi decretado o estado de emergência. Mas que tal como o fizeram nessa altura, os empresários estão agora preparados para receber os clientes.

Ainda assim, Costa assume que esta é uma mudança radical, "as pessoas tem receio", e "não podemos retomar a vida como a tínhamos antes".

Num local, a baixa lisboeta, em que habitualmente se fazem muitas arruadas de eleições para os vários órgãos de soberania, António Costa chutou para o outono de 2021, altura em que se disputam as eleições autárquicas, a realização de campanhas como as que assitiamos no passado.

Por exemplo, a campanha para as eleições da presidência da República, disputadas no início do próximo ano, terão ainda regras diferentes motivadas pela pandemia da Covid-19.

Esta ideia já tinha sido noticiada na sexta-feira pela Renascença, que avançou que a administração eleitoral está a preparar vários cenários para as eleições presidenciais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.