|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Carlos Costa apadrinha Mário Centeno para o lugar de Governador do Banco de Portugal

16 mai, 2020 - 08:25 • Redação

Em entrevista ao Expresso, o atual Governador do Banco de Portugal diz que o ministro das Finanças "tem todas as condições para ser um grande governador do Banco de Portugal.”

A+ / A-

Numa altura em que está em fim de mandato, o governador do Banco de Portugal Carlos Costa lança o nome do ministro das Finanças, Mário Centeno, para o cargo num futuro próximo, numa entrevista ao semanário Expresso. Carlos Costa pensa que Centeno tem todas as condições para ser um grande governador do Banco de Portugal.

Segundo o Expresso, Carlos Costa dá gás à possibilidade — que o próprio Centeno não exclui — de o atual ministro das Finanças o substituir naquele cargo já em julho.

Na mesma entrevista, Carlos Costa autoelogia o trabalho que fez, e diz que Centeno tem meio caminho andado para o sucesso. “Vai receber uma máquina que está rejuvenescida, com muito maiores competências, com uma estruturação muito forte, com um sentido de missão e um foco muito claro.”

Recorde-se que é publico que Carlos Costa e Mário Centeno têm uma relação tensa. A mesma nasceu durante o primeiro mandato de Carlos Costa na instituição, no qual, Centeno (na época um alto quadro do BdP) candidatou-se a diretor do departamento de Estudos Económicos. Acabou chumbado por um júri, e a decisão foi validada pelo governador.

Carlos Costa recorda o caso, mas não lhe dá muita importância. “Tínhamos grandes candidatos e todos eles foram devidamente valorizados na sua componente científica e académica. Não foram capazes de demonstrar as qualidades que se pretendiam em matéria de gestão de pessoas. Dito isto, o professor Mário Centeno foi convidado por mim, depois desse concurso, para ser assessor ou consultor do governador e nessa qualidade recebeu um mandato para promover uma conferência internacional. Isto demonstra que não houve qualquer corte de relações ou qualquer menorização da capacidade científica e técnica do professor Mário Centeno, pelo contrário houve uma valorização.”

Em relação a uma possível incompatibilidade de Centeno para o cargo, por o ministro das Finanças poder transitar diretamente do ministério para governador do Banco de Portugal, também mereceu um comentário de Costa: “Isso é uma questão sobre a qual eu não me posso pronunciar de maneira nenhuma, porque cabe aos agentes políticos saber o que é que consideram incompatível ou não.”

Este “não é o caso” de uma “incompatibilidade factual”, reconhece Carlos Costa, mas sem afastar a questão da independência do próximo governador face ao poder político.

“Depende da forma como a pessoa interpreta o mandato que lhe está atribuído. Não é uma questão genética, é uma questão de compreensão do mandato e também de atitude”, qualifica o atual líder do banco central.

Sobre a mais recente crise política motivada pela transferência de 850 milhões de euros para o Novo Banco, o atual governador valida a decisão de Centeno.

“Eu estou convencido que o presidente do Fundo de Resolução, que é jurista, conhece muito bem o contrato e conhece bem as obrigações que resultam do contrato. Se houvesse alguma forma de minimizar os custos para o Fundo de Resolução ele certamente teria estado muito atento. Aliás, como fez quando deduziu €2 milhões mostra que esteve atento e deduziu aquilo que não era devido”, remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Nuno
    16 mai, 2020 Penafiel 14:40
    Que pouca vergonha. É o compadrio total.