|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19. Costa diz que teve de arriscar decisões por falta de consenso científico

15 mai, 2020 - 20:36 • Redação

O primeiro-ministro escolhe a decisão de encerrar as escolas como a mais difícil que teve de tomar durante a pandemia. Em entrevista à CMTV, Costa esclarece a fiscalização nas praias, abre a porta à realização da Festa do Avante, diz que todos os pedidos de "lay-off" já foram pagos e diz que medidas de apoio às empresas serviram para "comprar tempo" para preparar crise financeira.

A+ / A-

Veja também:


António Costa escolhe o dia em que decidiu encerrar as escolas como o mais difícil de toda a pandemia, até à data, por não existir consenso científico para a decisão. Em entrevista à CMTV, o primeiro-ministro fala num período de muitas decisões complicadas e a satisfação por poder começar, nesta altura, a retirar algumas restrições.

"Pareceu uma eternidade de tempo de decisões difíceis. O dia mais difícil foi a 12 de março, em que tomei a decisão de encerrar as escolas, porque na altura não tinha suporte científico suficientemente forte para essa decisão e teria de arriscar. Poderia correr bem, ou mal, mas as pessoas perceberam a decisão. Mas na altura foi muito difícil porque não havia consenso científico para encerrar as escolas", começa por afirmar.

O primeiro-ministro destaca o gosto de poder anunciar o fim de algumas restrições, como a proibição das visitas nos lares e limitações nos funerais, mas reconhece que, no final da pandemia, poderão surgir críticas.

"Tive muito gosto de anunciar que os portugueses podem finalmente estar com os familiares nos lares e também participar nas cerimónias fúnebres. Tem sido um período muito difícil, com momentos muito difíceis. Tenho consciência que toda a gente concorda neste momento de crise, mas, no final, vão apresentar a fatura", diz.

No entanto, Costa diz que não se preocupa com futuras consequências políticas das decisões tomadas durante a pandemia. "Faz parte da vida, não estou a pensar no que vem a seguir", avança.

Na segunda-feira, reabrem as creches e as escolas para o 11º e 12º anos. António Costa reconhece que é um "dia muito importante" e garante que as instituições estão apetrechadas de forma a retomar atividade em segurança.

"Todas as escolas receberam material, foram mais de quatro milhões de máscaras e muitos litros de gel desinfetante. Ainda hoje visitei uma das maiores escolas do país e vi como o corpo docente e todos os assistentes estão preparados e motivados para este momento de teste que é o regresso dos alunos", explica.

"Não podemos ter um polícia em cada praia"

A época balnear arranca a 6 de junho e o executivo apresentou, esta sexta-feira, as medidas para o acesso às praias, como um sistema de semáforos em cada praia e será criada uma aplicação para os banhistas, antes de saírem de casa, saberem se os areais estão com pouca ou muita gente.

Para além disso, o distânciamento será obrigatório. António Costa explica que não terá um polícia a fazer fiscalização em cada praia da costa portuguesa, mas conta novamente com a responsabilidade dos portugueses.

"É uma questão de responsabilidade, não podemos ter um polícia em cada praia. As praias são um local de lazer e descanso e, por isso, temos de ser os fiscais de nós próprios. A regre é simples, claro que confio nos portugueses que foram capazes de sacrificar a sua liberdade durante quase dois meses, vão deitar tudo a perder agora? Não vão ser capazes de estar na praia sem civismo?", questiona.

É nesse sentido que o primeiro-ministro espera que o turismo nacional aumente consideravelmente este verão: "É fundamental que os portugueses possam gozar as suas férias. Acho que todos vão procurar fazer férias cá, não vão arriscar ir para fora e vão conhecer zonas do país que não conheciam".

Costa diz, entre risos, que espera poder ir de férias, mas admite que os incêndios podem retirar essa possibilidade.

Sobre a possível realização da Festa do Avante, o primeiro-ministro acredita que poderá ser realizado, caso sejam respeitadas as medidas de segurança.

"A Assembleia da República está a discutir uma proposta do governo e o PCP também vai tomar uma decisão no momento próprio, mas há atividades que o Estado tem direito de proibir e outras não, como a atividade política. Já não há estado de emergência, pode-se fazer um comício desde que se cumpram regras. Também não podemos proibir atividades religiosas, desde que cumpram as normas de segurança. Temos de ter bom senso na forma como as coisas são feitas", explica.

Todos os pedidos de "lay-off" pagos

António Costa anuncia ainda que todos os pedidos de "lay-off" que foram apresentados até ao final de abril foram pagos.

"Até ontem foram pagos todos os pedidos válidos de 'lay-off' que entraram até ao fim de abril. Cumprimos o que tínhamos disto, pagámos aé 15 de maio tudo o que foi apresentado até 30 de abril", diz.

O primeiro-ministro explica que todas as medidas de apoio financeiro às empresas serviram para "comprar tempo" para preparar os próximos meses de quebra na economia nacional, europeia e mundial.

"Vamos iniciar consultar para criar um desenho de um programa de emergência económico e social. Nestes dois meses tivemos de reinventar muitas coisas, como a simplificação do 'lay-off', linhas de crédito, acesso às moratórias e estamos a fase de criar maior solidez de cenário de evolução da economia e criar medidas concretas para estancar esta hemorragia, consolidar emprego e criar as bases para a recuperação económia", diz.

Assim como se evitou que a pandemia fosse um "tsunami" no país com as medidas de contenção social, Costa explica que se fez o mesmo com a economia.

"Se não tivessemos criado medidas, teriamos um tsunami na saúde, teríamos mais perdas humanas, mas adotamos medidas para estancar a pandemia. A economia é igual, a função das moratórias é dar tempo ao Estado, às empresas e ao sistema financeiro para se organizar e evitar o tal tsuinami. Queremos passar a onda com segurança e conforto e precisamos dessa margem de tempo para amortecer o impacto", explica.

António Costa reconhece o papel da União Europeia e dos seus apoios financeiros para ultrapassar a crise economia que todo o mundo se prepara para atravessar.

"Claro que a Europa é uma peça fundamental. Tivemos uma queda de 2,4% em relação ao primeiro trimestre do ano passado, é normal que tenha acontecido esta queda e 44% da nossa economia são exportações, dependemos da procura externa. Espanha é o nosso maior cliente, se está em crise, temos mais dificuldade em vender. Precisamos todos uns dos outros. A Europa ou sai toda junta da crise, ou ninguém vai sair da crise", adianta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    16 mai, 2020 évora 00:26
    Tudo no Mundo começou com um ser humano portador do vírus Covid - 19 . Portugal está em 6ª lugar na Europa pelo maior número de infetados ativos. O que o PM fez foi jogar no Euromilhões ... mas penso que não lhe vai sair prémio algum , pelo contrário , daqui a uns dias , entre 15 a 20 dias ... vão explodir os casos de infetados em Portugal . Não esqueçamos , o tempo tem ajudado na contenção do vírus , as pessoas pouco saíram para a rua neta Primavera chuvosa . Já existem estudo que o calor e frio não afetam este vírus . Portanto , e a exemplo de outros países que conseguiram deter o vírus para números de quase zero por dias de infetados e com a retoma subiram drasticamente , os Portugueses são geneticamente iguais aos outros humanos ... é de esperar uma carnificina de vírus .