|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Mário Centeno: "Crise massiva" não pode afetar "estabilidade social e institucional"

14 mai, 2020 - 17:53 • Redação

Numa semana particularmente difícil, o ministro das Finanças revisitou o trabalho realizado nos últimos anos: crescimento da economia, descida do desemprego e primeiro excedente em democracia, para dizer que Portugal está agora melhor preparado para enfrentar uma crise.

A+ / A-

Veja também:


Portugal assiste a um “interregno temporário” do crescimento económico, mas a crise provocada pela Covid-19 não pode abalar a estabilidade social e institucional, defende o ministro das Finanças, Mário Centeno.

“Assistimos, infelizmente, a um interregno temporário do processo do processo de crescimento económico. Não devemos, não podemos permitir que este interregno afete o funcionamento das instituições. A estabilidade económica e financeira e bancária de longo prazo. Nem muito menos a estabilidade social e institucional”, declarou Mário Centeno, no Parlamento, durante a apresentação do Plano de Estabilidade enviado a Bruxelas.

Numa altura em que está envolvido em polémica devido à transferência de 850 milhões de euros para o Novo Banco, o ministro das Finanças garante que “voltaremos em conjunto a conquistar o futuro”, com “verdade e responsabilidade de apresentar todas as consequências das propostas que fazemos”.

Mário Centeno recordou a trajetória portuguesa nos últimos anos, com crescimento da economia, descida do desemprego e o excedente orçamental em democracia.

Um registo que foi interrompido, abruptamente, pela pandemia de Covid-19, que afeta toda a economia e empurra o mundo para uma das piores recessões das últimas décadas.

“O combate à Covid-19 está a ter impacto massivo na economia, mercado de trabalho e contas públicas. Sabemos que este impacto é massivo e não tem origem na economia nem no sistema financeiro. Hoje estamos mais robustos e preparados, mas desconhecemos a sua intensidade e extensão no tempo”, alerta o ministro das Finanças.

Para o governante, este “é um dos momentos mais críticos para a sociedade portuguesa nas últimas décadas”.

Centeno sublinha que o Programa de Estabilidade deste ano “não pretende responder a desequilíbrios macroeconómicos ou a défices excessivos”, porque o momento é distinto.

A avaliação do impacto do confinamento apenas se poderá concretizar mais tarde e o retorno a uma trajetória de crescimento económico “só será possível quando a crise sanitária estiver debelada”, afirmou.

As medidas de confinamento têm um impacto estimado de 6,5 pontos percentuais do PIB, em média, a cada 30 dias úteis.

AS medidas de apoio a trabalhadores e empresas no âmbito da Covid-19 estão orçadas em dois mil milhões de euros por mês, 1% do PIB de 2019, sublinhou.

“Acrescem medidas discricionárias com impacto financeiro, mas sem impacto orçamental de mais de 25,1 mil milhões de euros, 12,5% do PIB, incluindo o apoio a liquidez de empresas, incentivos ou moratórias de créditos e rendas”, referiu Centeno.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio Medeiros
    14 mai, 2020 Ponta Delgada 18:15
    De facto as notícias são avassaladoras. Contudo no campo político temos génios. É preciso proteger esses homens e dar dar lhe forças, quer pela rádio, quer pela televisão. Não ter o hábito da crítica destrutiva, mas construitiva. Combate Zé o mal com ações de formação, de força, dr coragem, de estímulo aos recursos de um povo. Estou grato pela boa organização da vossa rádio. Seguir homens de coragem é um dever da nação. Nunca deixar que seja atingida a máquina central de Portugal, a democracia. Sim são todos em conjunto uma força pelo nonno lindo país. All together. Antonio