Tempo
|
A+ / A-

PS repudia "declarações abusivas" de Rio, diz que Centeno tem feito um "trabalho notável"

13 mai, 2020 - 21:09 • Lusa

"O debate desta tarde não passou por saber se o ministro das Finanças, Mário Centeno, foi, é ou será ministro das Finanças", diz vice da bancada parlamentar socialista.

A+ / A-

O PS repudiou esta quarta-feira as “declarações abusivas” do líder do PSD sobre o debate parlamentar desta tarde, considerando que Rui Rio quis desviar as atenções “para uma certa teoria da conspiração” ao defender a saída de Mário Centeno.

Minutos antes, em declarações aos jornalistas nos passos perdidos do Parlamento, Rui Rio considerou que o ministro das Finanças "não tem condições para continuar" no Governo uma vez que “não foi leal ao primeiro-ministro”, já tem “uma crítica pública do Presidente da República e, hoje à tarde, no debate no Parlamento a bancada do PS não o defendeu, limitou-se a criticar o passado para não ter de ficar calado".

“Rui Rio fez há pouco declarações abusivas sobre aquilo que foi o debate desta tarde. O debate desta tarde não passou por saber se o ministro das Finanças, Mário Centeno, foi, é ou será ministro das Finanças. Do nosso ponto de vista isso não é minimamente discutível”, disse, em resposta, o vice-presidente da bancada do PS, João Paulo Correia.

Na perspetiva do deputado do PS, “Rui Rio quis desviar aquilo que foi o debate desta tarde para uma certa teoria da conspiração”, repudiando e lamentando que “isso tenha acontecido”.

“O senhor ministro das Finanças tem feito um trabalho notável ao serviço do país”, defendeu João Paulo Correia, considerando que o líder do PSD quis “desviar a atenção quando o PS meteu o dedo na ferida naquilo que foi a responsabilidade do PSD na resolução do BES”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.