Tempo
|
A+ / A-

Reabertura das creches. DGS reduz crianças por sala, mas amplia margem de manobra dos educadores

13 mai, 2020 - 13:55 • Manuela Pires , Luís Aresta

Creches reabrem a 18 de maio. Distanciamento social não deve comprometer as atividades lúdico-pedagógicas. Entrada dos pais volta a ser autorizada, ainda que desaconselhada.

A+ / A-

A versão final das orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS) para a reabertura das creches esclarece que o distanciamento social não deve comprometer as normais atividades lúdico-pedagógicas. Já a entrada dos pais volta a ser possível, ainda que deva ser evitada. DGS quer um número reduzido de crianças por sala e que os brinquedos sejam higienizados várias vezes por dia.

O documento de orientação destinado às creches e amas – com regresso à atividade previsto para 18 de maio, mesmo que não tenham crianças suficientes – evidencia que a DGS teve em conta alguns dos alertas dos educadores de infância e outros especialistas.

O texto final acaba por aliviar alguns aspetos mais constrangedores de interação e organização do ambiente nas creches, de uma forma geral, sem deixar de sublinhar o cuidado extremo que deve ser tido em conta no regresso das crianças às creches.

No âmbito das medidas gerais, a orientação oficial do Governo, através da DGS, surge aligeirada, por exemplo, na redução do número de crianças por sala e na maximização do distanciamento entre crianças, que deve ser aplicado na maior parte das atividades.

Já encarregados de educação deixam de estar proibidos de entrar nas creches. O documento final mantém, todavia, que as crianças devem ser entregues e recebidas pelos encarregados de educação à porta do estabelecimento, evitando, sempre que possível, a sua circulação dentro da creche.

Na sua versão final, a orientação da DGS deixa de conter normas especificamente dirigidas às amas, aplicando-se de uma forma geral a creches, creches familiares e amas.

Quais são as principais medidas para as creches?


No geral, mantém-se o grosso das orientações já conhecidas e que a Renascença divulgou em primeira mão, agora aligeiradas nos detalhes acima referidos.

No essencial, a DGS quer um número reduzido de crianças por sala, nas creches, para que haja distanciamento, mas sem pôr em causa o normal funcionamento das atividades lúdico-pedagógicas.

  • Quando estiverem sentadas à mesa, ou deitadas nos berços, as crianças devem ficar a uma distância, umas das outras, entre 1,5 e dois metros.
  • Cada educador deve ter um grupo fixo, que deve estar na mesma sala, para evitar contactos com as outras pessoas. Para tal, devem ser organizados horários e percursos fixos.
  • Também na hora de entrada e saída, as creches devem procurar definir horários desfasados, para evitar o cruzamento de pessoas que não são da mesma sala. As crianças devem ser entregues e recebidas pelos encarregados de educação à porta do estabelecimento, evitando sempre que possível a circulação dos mesmos dentro da creche.

Ventilação e arejamento das salas


O documento, assinado pela diretora-geral da Saúde, refere, ainda, que os sapatos não podem entrar nas salas onde as crianças se sentam ou deitam no chão. Os pais podem levar calçado só para uso exclusivo pelas crianças no interior da creche.

  • As creches devem assegurar que as crianças não partilham objetos e, se isso acontecer, estes devem ser desinfetados entre cada utilização.
  • As crianças não devem levar brinquedos de casa. Já os brinquedos da creche devem ser lavados, pelo menos, duas a três vezes ao dia.
  • As portas e janelas devem estar abertas para uma melhor ventilação.

Limpeza reforçada antes e depois da sesta


Na hora de ir para a mesa, os lugares são marcados, para garantir o distanciamento, e a deslocação deve ser desfasada. Ou, então, as crianças podem comer nas respetivas salas.

Para a sesta, cada criança deve ter o seu berço ou colchão. Há, também, regras para a colocação das camas, com distância entre 1,5 e dois metros. As posições dos pés e das cabeças das crianças devem ser alternadas e a limpeza deve ser reforçada antes e depois da sesta.

Todos os funcionários devem usar máscara cirúrgica e devem ser desinfetados todos os locais, com especial atenção nas superfícies à altura das crianças.

As orientações da DGS incluem, também, o transporte: nas carrinhas da escola, deve existir apenas uma criança por banco e o carro deve ser desinfetado após cada viagem.

Diálogo entre DGS e educadores de infância prossegue


Depois de, numa primeira fase, se ter fechado sobre si própria – o que motivou críticas de representantes das creches e da Associação Portuguesa de Educadores de Infância -, a DGS está, agora, aberta aos contributos que lhe estão a chegar.

Ao que a Renascença apurou, nas próximas horas, haverá uma reunião entre representantes dos educadores de infância, creches e elementos dos Ministérios da Saúde e da Solidariedade Trabalho e Segurança Social.

O objetivo é esclarecer medidas e minimizar os fatores passíveis de perturbar o regresso à atividade nas creches.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Aguiar Pereira
    13 mai, 2020 PEDRAS PRETAS em PORTO SANTO 14:29
    A INCOMPREENSÃO DO GOVERNO TEM DE PREVALECER! ENFIM!!!!!!!

Destaques V+