Tempo
|
A+ / A-

AHRESP avisa. Setor da restauração não pode "funcionar a 50% com custos de 100%"

12 mai, 2020 - 11:30 • Susana Madureira Martins , com Redação

Ministro da Economia sublinha que é preciso ir abrindo por partes e apenas se passará para uma fase seguinte se houver condições.

A+ / A-

Veja também:


A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) avisa que não é viável abrir o setor da restauração a 50% com custos de 100%.

O vice-presidente da associação que representa este setor falou, esta terça-feira, na cerimónia de assinatura de um protocolo com a Direção-Geral da Saúde (DGS), para regular a reabertura dos restaurantes, prevista para 18 de maio. Carlos Moura deixou o apelo ao Governo, para que não permita a insolvência das empresas.

"Sabemos que vamos abrir de forma muito condicionada, com muitas restrições e dificuldades. Funcionar a 50% com custos de 100% não é viável. As propostas que a AHRESP já apresentou ao Governo são fulcrais para uma retoma segura e capaz, e permitirão o reerguer estruturado das nossas empresas. Queremos contribuir, uma vez mais, para a rápida recuperação da nossa economia e, por isso mesmo, não devemos permitir a insolvência de milhares de empresas e a destruição de muitos milhares de postos de trabalho", afirmou.

Reabertura faseada


O ministro da Economia sublinhou que é preciso ir abrindo por partes e apenas se passará para uma fase seguinte se houver condições. É isso mesmo que será avaliado esta semana, em conjunto com a DGS, o conjunto de técnicos que ajudam o Governo nesta matéria, os parceiros sociais e os restantes partidos políticos.

"Veremos se há condições para avançar para a fase seguinte. A fase seguinte é marcada por um conjunto de restrições que são levantadas, entre as quais, talvez uma das mais impressivas do lado da economia, a reabertura dos estabelecimentos de restauração e bebidas", assinalou Pedro Siza Vieira.

A cerimónia, que teve lugar no Palácio da Ajuda, em Lisboa, contou com a presença do primeiro-ministro, António Costa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 13 mai, 2020 13:21
    Nos anos mais próximos, a economia não vai gerar meios para suportar uma restauração a 100%. É melhor que nos mentalizemos e que o sector se vá adaptando às novas condições.
  • José J C Cruz Pinto
    12 mai, 2020 Ílhavo 12:31
    Custos a 100%? Que eles sejam para aí a 80% (se forem) ainda poderá ser - mas a 100%, só se eles trabalharem e gastarem o mesmo e deitarem metade da comida fora*! E dantes, também eram nulas ou muito escassas as margens de lucro? Se eram, as empresas não eram nem serão agora viáveis. (* admitindo que não podem ou não querem trabalhar mais horas.)