Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Educadores sobre reabertura de creches: recomendações “lesam o desenvolvimento das crianças”

10 mai, 2020 - 19:01 • Cristina Nascimento

Associação de Profissionais de Educação de Infância lamenta ainda que se olhe para “as creches como depósitos de crianças e para os educadores de infância como os seus ‘fiéis depositários’".

A+ / A-

Veja também:


A Associação de Profissionais de Educação de Infância (APEI) considera que reabrir as creches nos termos exatos das recomendações feitas aos profissionais do setor, noticiadas em primeira mão pela Renascença, é “lesar o desenvolvimento das crianças”.

“As recomendações emanadas aos profissionais de educação de infância são profundamente desadequadas" e colocam-nos "num dilema ético e profissional difícil de resolver pois, garantindo o seu cumprimento, estão objetivamente a lesar o desenvolvimento das crianças”, lê-se na posição oficial que tomaram sobre o assunto.

Na conta da associação na rede social Facebook, a APEI expressa “a sua profunda preocupação por todo este processo”, embora compreenda “o difícil equilíbrio entre a necessidade de retomar a atividade do país e a defesa da saúde das pessoas”.

Na mesma nota, a associação considera que “pegar ao colo, olhar nos olhos e deixar que a criança crie empatia através da expressão facial, falar perto da sua cara e acariciar o seu rosto são afetos que constroem e cimentam as interações e o vínculo entre criança e educador/cuidador” e que “impedir estas manifestações de afeto ou artificializá-las, com máscaras e distância física, é violentar a relação”.

“Olhar para as creches como depósitos de crianças e para os educadores de infância como os seus ‘fiéis depositários’ é ter uma visão profundamente redutora da importância que a educação tem nestas idades”, lê-se ainda na mesma nota.

A APEI considera ainda que a reabertura das creches vai “abranger as crianças maioritariamente oriundas de famílias com condições sociais de maior vulnerabilidade e desigualdade socioeconómica, precisamente as que não terão alternativa a não ser a creche”.

O comunicado da APEI termina referindo que estão a preparar um documento que possa contribuir construtivamente para a situação e dizem-se disponíveis para colaborar com as autoridades para encontrar as “melhores soluções”.

Ontem, a Associação de Creches e Pequenos Estabelecimentos de Ensino Particular (ACPEEP) já tinha sublinhado que não é possível implementar algumas das medidas propostas para a reabertura, nomeadamente impedir crianças de partilharem brinquedos e material didático.

"Não é pedagogicamente correto dizermos a uma criança 'não partilhes o brinquedo com o amigo'", refere à Renascença Susana Baptista, presidente da ACPEEP.

De acordo com a agenda de desconfinamento do Governo, as creches devem reabrir a partir de 18 de maio, numa primeira fase em modo opcional.

Em Portugal, morreram 1.135 pessoas das 27.581 confirmadas como infetadas com a Covid-19, e há 2.549 casos recuperados, de acordo com dados da Direção-Geral da Saúde atualizados este domingo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    10 mai, 2020 évora 23:00
    Digamos antes assim , será uma espécie de Tortura humana manter distância de 2 metros a quem está em fase de desenvolvimento e poderá daí constituir trauma futura em que as crianças vão aprender estímulos para repudiar o seu semelhante . Uma espécie de campo de concentração ou depósito forçado de "lixo" .

Destaques V+