Tempo
|
A+ / A-

Criança encontrada morta em Peniche. Pai e madrasta "fortemente indiciados por homicídio"

10 mai, 2020 - 16:14 • Cristina Nascimento

Informação foi avançada este domingo pela Polícia Judiciária em conferência de imprensa. Corpo da criança de nove anos desaparecida desde quinta-feira foi encontrado esta manhã.

A+ / A-

Veja também:


O pai e a madrasta da criança de nove anos encontrada morta este domingo em Peniche estão "fortemente indiciados do crime de homicídio", avançou Fernando Jordão, coordenador da Polícia Judiciária (PJ) de Leiria, em conferência de imprensa.

A criança estava desaparecida desde quinta-feira e foi encontrada sem vida esta manhã. Segundo a PJ, os dois suspeitos estão "fortemente indiciados por homicídio e ocultação de cadáver, entre outros crimes".

Nestes esclarecimentos à imprensa, Fernando Jordão refere que tudo aponta para que o homicídio tenha decorrido "dentro da habitação" na passada quarta-feira, um dia antes de ter sido dado o alerta para o desaparecimento da criança.

Jordão adianta que o corpo terá sido retirado do interior da habitação ainda na quarta-feira e levado para um pinhal. O cadáver foi encontrado “numa zona de mata da Serra d’El Rei [freguesia de Peniche], tapado por arbustos”.

O coordenador da PJ de Leiria adianta que o crime estará relacionado com "questões internas do funcionamento da família" e afasta a hipótese de acidente, bem como a existência de mais suspeitos envolvidos no caso.

A Judiciária garante ainda que a criança e a família não estava referenciadas como tendo problemas, nem de maus tratos, nem de violência doméstica.

Os detidos têm 32 anos, o pai da criança, e 38 anos, a madrasta. Além da criança encontrada morta, estava em casa dos dois suspeitos mais três crianças “de 11/12 anos, quatro anos e outra com meses”, não sendo possível, nesta altura, saber se terão assistido a alguma coisa.

Ainda segundo Fernando Jordão, a criança agora encontrada morta deveria estar com a mãe mas, face à pandemia da Covid-19, estava já "há algum tempo" com o pai e a madrasta.

Buscas envolveram 600 agentes de Proteção Civil

Na conferência de imprensa desta tarde, Diogo Morgado, capitão da GNR de Leiria, esclareceu que durante os dias em que se realizaram buscas para tentar encontrar a criança estiveram envolvidos 600 elementos da GNR, Bombeiros, Proteção Civil, entre outros, e foi abrangida uma área de cerca de quatro mil hectares.

Ainda assim, adiantou o militar da GNR, não tinha sido contemplado o local onde estava o corpo da criança.

Diogo Morgado esclareceu ainda que os suspeitos agora detidos não participaram nas buscas pela criança, de forma voluntária.

A GNR confirmou ainda que, durante as operações de buscas, surgiram informações sobre um alegado avistamento da criança nas Caldas da Rainha, o que não se verificou ser verdade.

[notícia atualizada às 19h16]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    11 mai, 2020 Funchal 13:49
    Como pai, se foram estes dois os culpados, então terei de dar razão ao Dr. André Ventura. Perpétua.
  • Filipe
    10 mai, 2020 évora 22:57
    Independentemente do trágico desfecho da história , o que se assistiu hoje em direto nas Tv´s , foi uma espécie de PIDE/DGS incapaz de saber a verdade e recorrendo a métodos de tortura e coação , para daí escrever a história . Parece que o Ministério Público e polícias investidas de órgãos criminais tal como recentemente o SEF matou um sujeito , recorrem à figura de testemunha e sob juramento retiram daí uma confissão . Espero , embora sejam possíveis criminosos , que em Portugal se respeite os Direitos Humanos e se assim for recorram ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem , para depois meterem a justiça desordeira na ordem .

Destaques V+