|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Pandemia de ​Covid-19

Doados mais de 34 milhões de euros em Portugal, a maioria para comprar ventiladores

08 mai, 2020 - 19:29 • Sandra Afonso

Mais de um terço do valor foi doado por fundações. Mas a solidariedade chega de variadas áreas: associações empresariais, indústria, desporto, media, ou grupos religiosos.

A+ / A-

Veja também:


Está em marcha uma onda de solidariedade no país, de empresas e particulares, desde a chegada da pandemia de Covid-19 a Portugal. A maioria dos donativos destina-se à compra de ventiladores e a Fundação Gulbenkian destaca-se como o maior doador.

Os dados foram agora agrupados e estão acessíveis na internet, na página "Observatório de Doações Covid-19", uma iniciativa dos Aliados Consulting e da FES Agency.

A maior fatia dos donativos, quase 11,5 milhões de euros, destinaram-se à compra de ventiladores. A parcela mais pequena, 655 mil euros (1,89%), foi para apoiar familiar carenciadas.

Pelo meio, destaque ainda para para os mais de quatro milhões de euros destinados a apoio financeiro e cerca de 2,5 milhões para o material de proteção de quem combate o vírus na linha da frente.


Quanto à origem do dinheiro, mais de um terço (36,3%) foi doado por fundações, onde se destaca o Fundo de Emergência de cinco milhões de euros criado pela Fundação Calouste Gulbenkian. Segue-se o sistema financeiro, responsável por mais de 19% do bolo.

A ajuda tem chegado das mais variadas áreas, desde as associações empresariais à indústria, passando pelo desporto, media, energia, retalho, alimentação, higiene, grupos religiosos, saúde, entre outros.

Sobre o tipo de doações, há entregas directas, campanhas e "crowdfunding".

A nível global, a pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 269 mil mortos e infetou mais de 3,8 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Em Portugal, morreram 1.114 pessoas das 27.268 confirmadas como infetadas, e há 2.422 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.