Tempo
|
A+ / A-

António Costa: "Lamento desiludi-lo, não houve atraso no pagamento do lay-off"

07 mai, 2020 - 15:13

De acordo com o chefe do Governo, "está tudo pago num universo de 64.500 empresas e 492 mil trabalhadores".

A+ / A-
Veja também:

"Não houve atraso no pagamento do lay-off", declarou esta quinta-feira o primeiro-ministro, António Costa, no primeiro debate quinzenal desde o fim do estado de emergência e início do estado de calamidade.

“Lamento desiludi-lo, mas não houve atrasos. Eu disse aqui que todos os pedidos válidos que entrassem até ao final da primeira semana de abril seriam pagos até final de abril. E isso aconteceu”, disse António Costa, em resposta a Telmo Correia, do CDS.

O primeiro-ministro garante que todos os pedidos de "lay-off simplificado entregues até 30 de abril, que forem válidos, serão pagos até 15 de maio.

De acordo com o chefe do Governo, "está tudo pago num universo de 64.500 empresas e 492 mil trabalhadores".

António Costa aproveitou também para fazer a defesa dos funcionários da Segurança Social que nas últimas semanas têm tratado de milhares e milhares de pedidos de lay-off das empresas.

"É totalmente legítimo e normal em democracia que as oposições critiquem o Governo, não creio que seja legítimo na atual fase em que estamos atacar pessoas que são funcionários públicos do Estado, que estão a dar o seu melhor, num esforço absolutamente extraordinário para cumprirem decisões políticas", afirmou António Costa.

"Se tivesse havido atrasos, não era do primeiro-ministro ou da ministra, era da máquina da Segurança Social. E isso a que chamamos máquina da Segurança Social são pessoas concretas, que também têm doenças, receio das doenças, familiares a cargo. O que deviam ter em conta é o esforço extraordinário que os serviços da Segurança Social fizeram. Nos últimos 12 meses tínhamos tratado de 512 pedidos de lay-off, em mês e meio trataram de 103 mil pedidos de lay-off", salientou o primeiro-ministro.

Nas contas de António Costa, em pouco mais de mês e meio, os serviços "trataram do que levariam 187 anos a tratar". Perante este esforço, deixou um "obrigado aos profissionais da Segurança social".

Telmo Correia, do CDS, respondeu que a culpa não é dos funcionários públicos, mas do Governo que faz promessas que não consegue cumprir.

O CDS criticou as dificuldades das empresas no acesso ao crédito. António Costa afirmou que a Sociedade Portuguesa de Garantia Mutua já aprovou 4.700 milhões de euros em garantias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ANTÓNIO
    08 mai, 2020 QUEIJAS 10:42
    Os governos nunca se atrasam, cativam.

Destaques V+