|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Os alemães e as saudades do marco

06 mai, 2020 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Muitos alemães têm a nostalgia do “marco alemão”, substituído pelo euro. Se for longe demais, essa nostalgia porá em causa o euro e a própria UE.

O tribunal constitucional alemão exigiu ao BCE que provasse que a sua compra de títulos da dívida, agora e no passado, terá sido “proporcional”. Se as explicações do BCE não forem satisfatórias para os juízes alemães, estes poderão proibir o Bundesbank de participar nesse programa de compras.

É uma possibilidade preocupante, sobretudo para a Itália, mas também para Portugal. Conte, o primeiro-ministro italiano, logo acusou o tribunal constitucional alemão de pôr em causa a independência do BCE. E a Comissão Europeia lembrou que as sentenças do tribunal de justiça europeu prevalecem sobre sentenças nacionais – e este tribunal europeu já aprovou a compra de títulos da dívida pública pelo BCE.

Esta questão não ficará encerrada nos próximos três meses, prazo que o tribunal constitucional alemão deu ao BCE para se justificar. Ao longo dos últimos anos perto de dois mil alemães foram a tribunal, pedindo a proibição legal da compra de títulos pelo BCE, medida que salvou o euro. Novos pedidos se seguirão.

Com a rápida recuperação da economia alemã depois do fim da II guerra mundial, os alemães passaram a adorar a sua moeda nacional, o marco alemão, bem como a intransigente posição anti-inflacionista do Bundesbank, que não hesitava em subir juros ao menor sinal de alta dos preços. Os alemães não esqueciam que, em 1923, foram vítimas de uma híper inflação, que reduziu a pó todas as suas poupanças. Ora o marco alemão era uma moeda forte, porque não perdia valor.

Quando se dá a implosão do comunismo soviético, a Alemanha Federal passou a integrar, também, a ex-República Democrática Alemã, comunista. A reunificação alemã assustou os seus inimigos na II guerra mundial, nomeadamente Thatcher e Mitterrand. Para os acalmar, o chanceler H. Kohl decidiu incluir o seu país na zona euro, então em formação.

Nas próprias palavras de Kohl, esta troca do marco alemão pelo euro amarrava a Alemanha à integração europeia – travando o que ele chamou os “demónios alemães”. Ora a aposta de Kohl não foi alvo de referendo. Daí que continuassem a ter voz ativa os nostálgicos do “marco alemão”. Esta é a bandeira do principal partido alemão na oposição, a “Alternativa para a Alemanha”.

Em plena crise política, com Merkel de saída, a Alemanha, e a UE, precisam de um novo impulso integrador. Para que não regressem os “demónios alemães”, de sinistra memória.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.