Tempo
|
A+ / A-

​Covid-19: Quase 60% das empresas com funcionários em teletrabalho

05 mai, 2020 - 15:07 • Lusa

Cerca de 84% das empresas mantinham-se em produção ou em funcionamento, mesmo que parcialmente, indica inquérito do INE e Banco de Portugal.

A+ / A-

Veja também:


Quase 60% das empresas tinham os seus funcionários em regime de teletrabalho na última semana de abril, de acordo com os resultados do inquérito às empresas produzido pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e pelo Banco de Portugal (BdP).

Segundo os dados divulgados esta terça-feira, cerca de 58% das empresas que responderam ao inquérito tinham pessoas em teletrabalho e 20% tinham mais de 50% do pessoal ao serviço efetivamente a trabalhar nessa situação.

A percentagem de empresas com pessoal em teletrabalho é crescente com a dimensão das empresas, atingindo 93% naquelas maiores e não ultrapassando 30% nas microempresas, sinalizam.

Por setor, refletindo a natureza da atividade económica desenvolvida, destacou-se a informação e comunicação, com 67% das empresas a registar uma percentagem superior a 75% de pessoal ao serviço em teletrabalho.

Em sentido oposto, o setor que menos recurso assinalou a esta forma de trabalho foi o alojamento e restauração.

Cerca de 84% das empresas respondentes mantinham-se em produção ou em funcionamento, mesmo que parcialmente, e 16% das empresas encerraram temporariamente ou definitivamente.

Nas empresas com perfil exportador registou-se uma maior proporção de empresas em funcionamento e por setor, a percentagem de empresas encerradas (temporária e definitivamente) continua a ser significativamente mais alta no alojamento e restauração (59%).

Já 79% das empresas respondentes continuaram a reportar diminuição do volume de negócios, numa grande parte (39%) a redução foi superior a 50% do volume de negócios, refletindo sobretudo a ausência de encomendas/clientes e as restrições no contexto do estado de emergência.

De acordo com os dados do INE/BdP, 57% das empresas continuaram a reportar reduções do pessoal ao serviço efetivamente a trabalhar, sendo que 25% referiram uma redução superior a 50%.

A medida de ‘lay-off’ simplificado foi apontado por 59% das empresas como relevante ou muito relevante para a redução do pessoal ao serviço.

A percentagem de empresas (em funcionamento ou temporariamente encerradas) que já beneficiou de outras medidas anunciadas pelo Governo, para além do 'lay-off' simplificado, aumentou ligeiramente face à semana anterior, mas continuou a ser reduzida, sinalizam.

O Inquérito Rápido e Excecional às Empresas – COVID-19 (COVID-IREE) é produzido pelo INE e pelo BdP e é dirigido a um conjunto alargado de empresas representativas dos diversos setores de atividade económica.

Este inquérito tem como objetivo identificar alguns dos principais efeitos da pandemia covid-19 na atividade das empresas e baseia-se num questionário de resposta rápida.

Na semana de 27 de abril a 01 de maio (quarta semana de inquirição), o inquérito contou com a participação de 5,5 mil empresas.

“Estas empresas correspondem basicamente a uma amostra representativa subjacente ao cálculo e compilação dos índices de volume de negócios setoriais mensalmente publicados pelo INE”, referem as entidades.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+