Tempo
|
A+ / A-

​Hotéis devem reabrir no final de junho

04 mai, 2020 - 15:08 • Luís Aresta

Os empresários do setor admitem, porém, que a retoma da atividade só deverá fazer-se sentir em meados de agosto, um momento que pode ser crucial na viragem da crise. As casas de turismo rural e de habitação podem beneficiar da proximidade ao campo.

A+ / A-

Veja também:


Os hotéis não deverão retomar em pleno a atividade antes do fim de junho, afirma o presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), Francisco Calheiros, em entrevista à Renascença.

Francisco Calheiros aponta o fim do mês de junho, ou o início de julho, como o momento em que será a reabertura dos hotéis e outras unidades de alojamento turístico que optaram por fechar as portas devido à Covid-19.

A reabertura coincidiria assim, com o fim do prazo de abrangência dos apoios excecionais ao “lay-off”, concedidos pelo governo. “O lay-off são três meses; apontamos para o fim de junho, início de julho”, diz o presidente da CTP, que não deposita grandes esperanças nos primeiros dois meses de atividade pós-confinamento, apontando a segunda quinzena de agosto como o período em que se poderá notar esse “reatar da atividade”.

Francisco Calheiros faz notar que “o primeiro semestre está irremediavelmente perdido, infelizmente”.

O setor olha com expetativa para o pico do verão, até porque, revela “as pessoas estão a atrasar bastante os cancelamentos”, fazendo acreditar que “setembro e outubro, meses normalmente importantes no que respeita a reservas feitas por estrangeiros, possam ter alguma contemplação”, diz.

Todos partem ao mesmo tempo

Se o novo coronavírus vai descendo o planalto que encontrou em Portugal, os empresários da hotelaria tentam subir as encostas do vale glaciar em que o setor caiu repentinamente. E neste contexto, Francisco Calheiros entende não ser adequado pensar que o turismo de habitação ou o turismo rural – longe da pressão do turismo de massas – possa beneficiar de condições excecionais para um ressurgimento prematuro no mercado.

“Devemos seguir as regras da hotelaria clássica”. Para Francisco Calheiros a concorrência passa para segundo plano, na medida em que “há necessidade deste tempo para preparar as casas”, de forma a preservar a saúde dos clientes e dos proprietários das unidades de turismo de habitação que, como é sabido, partilham o espaço e interagem socialmente com os turistas.

Turismo em espaço rural e de habitação pode ganhar clientes

Francisco Calheiros enviou uma carta a todos os parceiros, em que são referidas “as vantagens do turismo de habitação, pelo facto de a maioria das casas se encontrarem em meio rural” proporcionando contacto com o ar livre.

A convicção do dirigente da TURIHAB é de que “as pessoas que tencionam gozar as suas férias, não estão a pensar fazê-lo em situações onde haja turismo de massas nem grandes ajuntamentos”.

A concluir esta entrevista, Francisco Calheiros assinala o esforço que está a ser feito para que todas as unidades obtenham o “selo do Turismo de Portugal” e que a própria TURIHAB “criou um conjunto de normas que as casas deverão seguir para se reapetrechar, restruturar e organizar e poderem receber as pessoas”.

[notícia atualizada às 16h08]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+