|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

Peregrinação a santuários, só espiritualmente, diz o Papa

03 mai, 2020 - 13:13 • Aura Miguel

Francisco reforça proximidade aos que sofrem com a pandemia e deixa um apelo aos cientistas.

A+ / A-

Veja também:


Francisco expressou este domingo proximidade “aos doentes de Covid-19 e a quantos se dedicam a cuidar dos que sofrem com a pandemia”.

No final da oração “Regina Coeli”, o Papa deixou um incentivo “para que se reforce a colaboração internacional, de forma a responder de modo adequado e eficaz à grave crise que estamos viver”.

Para o Santo Padre, “é importante reunir as capacidades científicas, de modo transparente e desinteressado, para encontrar vacinas e tratamentos e garantir o acesso universal a tecnologias essenciais que permitem que todas as pessoas infetadas, em todas as partes do mundo, recebam os cuidados de saúde necessários”.

Peregrinações marianas, só espiritualmente

A propósito da tradicional devoção mariana no mês de maio, “durante o qual os fiéis adoram visitar os santuários dedicados a Nossa Senhora”, Francisco afirmou que “este ano, devido à situação de saúde, vamos espiritualmente a esses locais de fé e devoção, para colocar nossas preocupações, expectativas e projetos para o futuro no coração da Santa Virgem”.

Ainda a propósito do valor universal da oração, o Papa explicou as razões da iniciativa ontem divulgada pela Santa Sé: “aceitei a proposta do Alto Comité para a Fraternidade Humana, para que os crentes de todas as religiões se unam espiritualmente num dia de oração e jejum no próximo dia 14 de maio, para implorar a Deus que ajude humanidade para superar a pandemia de coronavírus”.

“O que me faz bem” e não “o que me apetece”

Antes da oração do Regina Coeli, Francisco alertou para a diferença radical entre “a voz do bem” e “a voz do mal”, a partir de duas perguntas decisivas: “a que vem de Deus será: ‘o que me faz bem?’; em vez disso, o tentador insistirá noutra pergunta: ‘o que me apetece fazer?’” No entanto, esclarece o Papa, “a voz de Deus nunca promete alegria a baixo preço e convida-nos a ir além de nós mesmos para encontrar o verdadeiro bem, a paz”, enquanto que “o mal nunca dá paz, enche de frenesim antes, e deixa amargura depois.”

Diferentes são também os ambientes dessas duas vozes: “o inimigo prefere trevas, falsidades, maledicência; o Senhor ama a luz do sol, a verdade e a transparência sincera”, concluiu o Papa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J Cruz Pinto
    03 mai, 2020 Ílhavo 17:02
    Que diferença entre o realismo, equilíbrio, compreensão e sensatez do Papa Francisco, .do Cardeal e de vários Bispos Portugueses, e o irrealismo e populismo de alguns dirigentes e opinadores da nossa praça política e comunicacional [mas não só, porque também inclui um pároco, ao que parece], que acham que seriam capazes de organizar com peregrinos a caminho de e no recinto de Fátima (!) algo que os protegesse (e a nós também) de um imediato recrudescimento da epidemia!! E vamos lá ver o que ainda poderá sair das reuniões que vão decorrer no Santuário ...