|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Pandemia de Covid-19

“Estou ansiosa para ver isto acabar”. O desabafo de Mónica, uma mãe na linha da frente e longe das filhas

03 mai, 2020 - 07:59 • Beatriz Lopes

Mal se dá pelas horas no Hospital de Santa Maria.Em tempo de pandemia, os dias passam demasiado rápido. Hoje, Dia da Mãe, a saudade abranda-os, custam mais a passar. A Renascença foi ouvir uma assistente operacional que vive longe das filhas há mais de um mês.“A mais nova sempre foi muito chegada a mim e este período de afastamento tem sido um bocadinho complicado.”

A+ / A-

Veja também:


No corrupio de um corredor no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, escutava-se em surdina, vinda de uma porta entreaberta, a canção "Andrà Tutto Bene", versos que têm sido, nestes dias, de resiliência e de encorajamento para os profissionais de saúde que enfrentam a pandemia diariamente e ininterruptamente.

Se tudo correr mesmo bem, nos versos como nas vidas, voltarão em breve para conforto dos seus, das famílias, de quem a pandemia os tem afastado. Pode até o amor encurtar a distância, sim, mas Mónica Velez, assistente operacional no hospital, diz à Renascença que um Dia da Mãe assinalado por meio de uma videochamada, por tão calorosa que esta seja, vai-lhe saber a pouco.

“Vou estar a trabalhar aqui no serviço, a fazer tarde, e não vou poder estar com as minhas filhas presencialmente. Irei vê-las de certeza por videochamada, mas não é mesma coisa. É assim que temos mantido a ligação desde março. Em trabalho não o faço, mas quando estou em casa ligo-lhes com tempo para vê-las e saber se estão bem. A Catarina é responsável, protege e toma conta da irmã, e assim fico mais descansada. Eu trabalho num sítio de risco e, por muitos cuidados que tenha, não sei o que posso transportar lá para fora”, explica.

As filhas, Catarina, de 21 anos, e Margarida, de 14, mudaram-se para as Caldas da Rainha, onde a mais velha estuda, para que a mãe pudesse regressar todos os dias a casa, em Lisboa. Já lá vai mais de um mês. Mas o dia 2 de março, quando foi detetado o primeiro caso de infeção por Covid-19 em Portugal, parece ter sido ontem, porque “no hospital o movimento não pára”.

Na unidade de cuidados intensivos, entre as muitas tarefas que não cabem num bloco de notas, Mónica auxília a equipa de enfermagem nos cuidados de higiene a doentes Covid-19, ajuda a transportá-los para fazerem exames ou seguirem para o bloco operatório, prepara refeições e lida com resíduos perigosos, como produtos biológicos contaminados. São dias que quer que acabem depressa, também para “acalmar” o coração da filha mais nova.

“A mais nova sempre foi muito chegada a mim e este período de afastamento tem sido um bocadinho complicado, apesar de entender que é para o bem dela e de todos. Tem alguma curiosidade sobre o que se passa aqui dentro e costuma fazer algumas perguntas: Se os doentes estão melhores? Se há menos doentes? Porque ela acha que se por alguma eventualidade houver menos doentes com este problema, ela poderá vir mais rápido para Lisboa”, conta.

O regresso à normalidade ainda vai demorar, admite Mónica, que teme agora uma segunda vaga de Covid-19 em Portugal. Diz-se preocupada com o levantamento das restrições, “que poderá vir a aumentar a quantidade de doentes que o hospital tem recebido”.

Na curta pausa para o almoço, e depois de desligar mais uma de tantas chamadas com as filhas, Mónica ainda tem tempo para falar dos planos a três, desde “tardes inteiras a ver filmes de terror”, que nem aprecia – mas que até aí poderá vir a fazer um esforço –, a “uma simples ida à praia”, que ainda espera que aconteça este ano.

Mesmo à distância, enquanto as filhas ocupam os dias com as aulas por videoconferência, continua presente, mais que não seja para “apaziguar” as zangas entre ambas. “De vez em quando há troca de ideias, em que uma não concorda com a outra, e eu, mesmo fora tento ligar e conversar com elas, porque neste momento é fundamental que se entendam e mantenham unidas.”

Neste dia da mãe, espera que o trabalho lhe continue “a ocupar muito a cabeça” para que mais tarde, e, em família, possa desligar de “um mundo que não pára”.

“Estou ansiosa para ver isto acabar, para estar mais próxima da minha família, que são elas”, desabafa.

Dois meses de Covid-19. O filme da pandemia em Portugal
Dois meses de Covid-19. O filme da pandemia em Portugal
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.