|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

Jornalistas turcos denunciam prisão de 12 repórteres num mês

03 mai, 2020 - 14:22 • Lusa

Os profissionais terão sido detidos por espalhar informação incómoda para o Governo sobre o coronavírus.

A+ / A-
Veja também:

Jornalistas na Turquia denunciaram este domingo, Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, a detenção no último mês de 12 repórteres pelas suas publicações sobre a covid-19 e alertaram para a pressão das autoridades nas informações relacionadas com a doença.

Os jornalistas foram presos sob a alegação de "espalharem pânico e medo" com as suas reportagens sobre o novo coronavírus SARS-Cov-2, que provoca a covid-19, denunciou ao jornal Bianet Erol Önderoglu, representante dos Repórteres Sem Fronteiras (RSF) na Turquia.

O jornal observa que este ano dezenas de jornalistas foram detidos por informar sobre eventos importantes na política do país, como a situação dos refugiados na fronteira turco-grega, a ofensiva militar turca na Líbia ou a operação na região síria de Idlib.

As associações de jornalistas da Turquia também recordam a recente reforma judicial para libertar 90.000 presos com o objetivo de descongestionar as prisões perante o avanço da covid-19, uma medida que não abrangeu jornalistas, políticos e ativistas que estão presos.

"Devemos ser uma sociedade em que as notícias possam viajar livremente. Acreditamos que os jornalistas presos devem ser libertados o mais rápido possível para garantir a paz no país", defendeu também hoje a Sociedade de Jornalistas Turca.

A Turquia ocupa a 154.ª posição de um total de 180 países analisados no ranking mundial de liberdade de imprensa dos Repórteres Sem Fronteiras e é o segundo Estado com mais jornalistas presos (85).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.