Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Erro informático levou a duplicação de 422 casos desde 25 de abril

02 mai, 2020 - 13:40 • Inês Braga Sampaio

Número de infetados com Covid-19 desceu, este sábado, face à véspera, porque o erro foi retificado. A ministra da Saúde garante que os boletins da semana passada serão corrigidos.

A+ / A-
Veja também:

Um erro informático levou a que o número de casos confirmados do novo coronavírus, na última semana, estivesse sempre errado, por excesso.

Na conferência de imprensa de atualização da situação pandémica da Covid-19 em Portugal, este sábado, a ministra da Saúde, Marta Temido, revelou que foram encontrados 422 casos duplicados, no sistema.

"Ontem [sexta-feira], verificou-se que, num conjunto de casos da região Norte, desde 25 de abril, os testes informáticos de verificação encontraram 422 casos duplicados que não eram verdadeiros casos novos e sim problemas de integração. Isto sucedeu porque, quando um caso confirmado laboratorialmente não tem número de utente associado, não porque não o tenha mas porque não é registado, o sistema está parametrizado para verificar se o nome e a data de nascimento correspondem se pertence a um caso que já estivesse confirmado. O sistema considerou, por defeito, que eram novos casos e, realizada, esta noite, a verificação, constatou-se que assim não era", assumiu.

Os dados deste sábado relfetem essa correção, pelo que o total de casos confirmados para o país inteiro, 25.190, fica abaixo do número da véspera, 25.351, apesar de terem sido diagnosticadas 203 novas infeções. A ministra da Saúde garantiu, ainda, que os boletins dos dias 25 a 30 de abril serão corrigidos.

"Esta correção mostra, mais uma vez, a necessidade de robustecimento da nossa base tecnológica de suporte ao sistema nacional de vigilância epidemiológica, que tem um conjunto de operações que não são automáticas e, neste caso, levaram a que esta correção fosse necessária", admitiu Marta Temido.

Cruzamento rotineiro de dados levou a deteção do erro


Numa justificação mais detalhada, a ministra explicou que a extração de dados do sistema nacional de vigilância epidemiológica assenta em duas aplicações, a que serve os laboratórios e a que serve os clínicos, "que não integram automaticamente".

Por isso, todas as semanas, a Direção-Geral da Saúde (DGS) verifica se não há cruzamento de positivos, entre os dados carregados na anterior. Assim se detetou a duplicação de casos:

"É desta verificação que se constata que havia dados positivos de pessoas com nome e data de nascimento já constante do sistema e foi desta circunstância que, sendo rotineira, desta vez teve este resultado."

Mais ventiladores e extensão de contratos excecionais


Ainda no campo dos números, a ministra da Saúde revelou que, a 30 de abril, entre compras, empréstimos e recuperação de equipamentos, Portugal somava um total de 1.814 ventiladores, invasivos e não invasivos, prontos para serem alocados ao tratamento da Covid-19.

"Até à data, já temos aptos a funcionar mais 275 ventiladores invasivos e mais 256 ventiladores não invasivos, o que faz um total de mais 531 equipamentos. Destes, 76 corresponderam a aquisições, 180 a doações, 156 a empréstimos e 119 a equipamentos recuperados. Temos a expectativa de que, na próxima semana, cheguem mais 48 ventiladores daqueles que foram adquiridos ao exterior", revelou a governante.

Em relação aos contratos de quatro meses celebrados com profissionais de saúde, no âmbito da resposta à pandemia, Marta Temido assumiu a intenção de prolongá-los, de forma a fazer face aos desafios do pós-estado de emergência e a uma possível segunda onda epidémica:

"Foram celebrados cerca de 1.800 contratos com profissionais de saúde. Estes contratos eram de quatro meses, mas era possível a sua prorrogação por igual período. Num contexto em que preparamos o Serviço Nacional de Saúde para responder à atividade suspensa durante a pandemia e para manter a resposta a um eventual recrudescimento da doença, a manutenção de contratos é muito importante."

De acordo com os dados divulgados pela DGS, este sábado, Portugal regista 1.023 óbitos devido à Covid-19, entre 25.190 casos confirmados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    02 mai, 2020 évora 14:11
    A verdade é que aparecem casos todos os dias e são mais de 25.000 bombas esperando serem pisadas pelos inocentes e que vão libertar estilhaços invisíveis por todo o lado ... Portugal teve tempo para reduzir os casos novos a zero e pelo menos recuperar 20.000 infetados ... não o fez ! Meteu a economia à frente dos bois ... os bois ( vírus ) vão marrar assim que puderem .