Tempo
|
A+ / A-

Jerónimo de Sousa no 1º de Maio: "O vírus mata, mas não podemos esquecer quem tem a vida destruída porque perdeu o emprego”

01 mai, 2020 - 15:54 • Redação

"​Nunca desistimos de fazer o 1º de Maio nas condições mais difíceis", afirmou o líder do PCP, que marcou presença na ação da CGTP na Fonte Luminosa, em Lisboa.

A+ / A-

Veja também:


O vírus mata, mas não podemos esquecer quem tem “a vida destruída porque perdeu o emprego”, disse esta sexta-feira o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, que esteve presente numa ação de rua da CGTP, em Lisboa, para assinalar o 1º de Maio.

“No quadro desta situação que vivemos da epidemia, mais importante se torna estar aqui com essa presença solidária, uma luta que é de todos os dias”, disse o líder comunista aos jornalistas, na Fonte Luminosa.

Jerónimo de Sousa garante que as ações de rua por ocasião do Dia do Trabalhador decorrem “no respeito pelas diretivas da Direção-Geral da Saúde (DGS), no plano do distanciamento social”, e simultaneamente, representa “uma grande afirmação do 1º de Maio nesta situação difícil em que o país se encontra”.

“Nós hoje assistimos a este problema do vírus que pode matar, que mata, e esquecemos muitas vezes aqueles que têm a sua vida destruída porque perderam o emprego, o seu salário, perderam direitos individuais e coletivos”, alerta o secretário-geral do PCP.

CGTP assinala 1 de maio na rua, contra "o aproveitamento do vírus para a exploração de trabalhadores"
CGTP assinala 1 de maio na rua, contra "o aproveitamento do vírus para a exploração de trabalhadores"

Jerónimo de Sousa deixa uma palavra de esperança aos portugueses, porque o “momento é de afirmação, na certeza que isto não há de ser sempre assim”.

“Um dia, há de surgir novamente esta força de Maio, na medida em que os dramas que se vivem hoje de certeza que com a nossa luta, com a nossa ação, com a nossa proposta, há de começar a encetar esse caminho da esperança, de uma vida melhor no nosso país e, particularmente, para quem trabalha, para quem trabalhou, também para os pequenos e médios empresários numa situação aflitiva, também para aqueles trabalhadores com recibos verdes que ficaram despojados de qualquer remuneração.”

Por isso, Jerónimo de Sousa defende a importância deste 1º de Maio. “Há tanta coisa para fazer, designadamente a defesa do Serviço Nacional de Saúde. Justifica-se plenamente esta presença e esta solidariedade”, sublinhou.

Numa altura em que muitos trabalhadores estão em “lay-off” ou foram despedidos, o líder comunista defende que é preciso afirmar os valores do 1º de Maio.

“Eu sou do tempo em que afirmar Maio era difícil. Não havia o vírus, mas havia a repressão, a prisão, a perseguição. Agora não é fácil tendo em conta a situação em que vivemos, mas naquela altura era mais difícil, porque era preciso coragem para participar no 1º de Maio”, salientou.

Questionado se poderá estar a dar um mau exemplo à população mais idosa, ao participar numa ação de rua, Jerónimo de Sousa respondeu que “a idade não é um critério absoluto” e que nunca desistirá “de fazer o 1º de Maio nas condições mais difíceis”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 02 mai, 2020 02:25
    Ja e tarde nao posso fazer barulho" o jeronimo sousa pode acordar!

Destaques V+