Tempo
|
A+ / A-

Faurecia, o maior fornecedor da Autoeuropa, despede 100 trabalhadores temporários

29 abr, 2020 - 14:09 • Ana Carrilho

Comissão de Trabalhadores está muito preocupada com estes despedimentos, que já rondam o milhar no conjunto das empresas do parque industrial da Autoeuropa, em Palmela.

A+ / A-
Veja também:

A Faurecia, maior fornecedor de componentes automóvel da Autoeuropa, vai dispensar cerca de 100 trabalhadores, todos temporários, com contrato precário.

A informação foi avançada na terça-feira pela administração à Comissão de Trabalhadores (CT) e fundamentada na redução drástica dos volumes de produção.

A Faurecia retomou a atividade na terça-feira, tal como a Autoeurpa, mas apenas com um terço dos trabalhadores. Os restantes estão em casa, usando os “down-days” ou ao abrigo do “lay-off” simplificado, com redução de um terço nos rendimentos.

Mas a incerteza é grande também para os contratados a termo e até efetivos. Ainda há pouco mais de um mês a administração tinha garantido que manter todos os 520 postos de trabalho.

Esta fábrica não depende exclusivamente da marca alemã. Mas a outra grande cliente, que garante quase 50% da produção, a Jaguar Land Rover, de Inglaterra, também só regressa ao trabalho a 24 de maio, de forma progressiva.

Em comunicado, a Comissão de Trabalhadores manifesta-se muito preocupada com estes despedimentos, a que já se juntam mais outros nas mesmas condições noutras empresas do parque industrial da Autoeuropa, em Palmela, e que já rondam o milhar.

A CT alerta para o impacto que a Covid-19 continuará a ter na indústria automóvel e na destruição dos seus postos de trabalho, já que “comprar um automóvel não será um bem essencial para os que perderam os seus rendimentos e postos de trabalho”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.