Tempo
|
A+ / A-

ONU pede que não se resgatem indústrias poluentes na atual crise

28 abr, 2020 - 23:09 • Lusa

Nações Unidas preferem modelos sustentáveis que permitam combater as alterações climáticas.

A+ / A-
Veja também:

O secretário geral ONU, António Guterres, defende que, na situação da pandemia da Covid-19, o dinheiro público não deve servir para resgatar indústrias poluentes, mas ser direcionado para investimentos em modelos sustentáveis que permitam combater as alterações climáticas.

“Quando o dinheiro dos contribuintes é necessário para resgatar as empresas, devem-se criar empregos verdes e crescimento inclusivo e sustentável”, disse António Guterres no 11.º Congresso Internacional Petersberg Climate Dialogue, em Berlim, através de videoconferência.

O português considerou ainda que o dinheiro público “não deve ser para resgatar indústrias obsoletas e poluentes”.

O chefe das Nações Unidas pediu, na ocasião, que se aproveitassem os bilhões de dólares para sair da crise pandémica, direcionando-os para a realização de “uma transição energética”, investindo-os, sobretudo, em tecnologias verdes, como incentivo às tecnologias limpas, e substituindo os subsídios para os combustíveis fósseis.

António Guterres referiu também que, quer o aquecimento global, quer a pandemia da covid-19, exigem uma “liderança corajosa, visionária e colaborativa” e lembrou também que os grandes países emissores, com a China e os Estados Unidos à frente, são “a chave do sucesso”.

“Sem a contribuição dos grandes [países] emissores, todos os nossos esforços correm o risco de estar predestinados ao fracasso”, alertou.

Guterres disse ainda que, nestes tempos difíceis, também “há esperança” e que a comunidade internacional tem diante de si “uma oportunidade de reconstruir um mundo melhor”.

“Vamos usar a recuperação face à pandemia para estabelecer as bases para um mundo mais seguro, saudável, inclusivo e resiliente para todos”, salientou o responsável.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 214 mil mortos e infetou mais de três milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 840 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 948 pessoas das 24.322 confirmadas como infetadas, e há 1.389 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram, entretanto, a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos, como Dinamarca, Áustria, Espanha ou Alemanha, a aliviar algumas das medidas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.