Tempo
|
A+ / A-

"O mundo devia ter ouvido com atenção" a OMS em janeiro

27 abr, 2020 - 19:05 • Lusa

Organização Mundial de Saúde alerta que a pandemia está longe de estar terminada e mostra-se preocupada com a situação em África, América Latina e Europa de Leste.

A+ / A-
Veja também:

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou esta segunda-feira que o mundo devia ter ouvido melhor quando foi declarada emergência global de saúde em janeiro passado, frisando que os países que seguiram as orientações da organização estão melhor do que os que as ignoraram.

Em conferência de imprensa a partir de Genebra, Tedros Ghebreyesus frisou que a Organização Mundial de Saúde declarou a 30 de janeiro "o nível mais alto de emergência global" quando o surto do novo coronavírus estava concentrado na China e só havia "82 casos" fora daquele país asiático.

"O mundo devia ter ouvido com atenção nessa altura, quando só havia 82 casos e nenhuma morte fora da China. Todos os países podiam ter desencadeado todas as medidas de saúde pública possíveis. E isso basta para atestar a importância de ouvir os conselhos da OMS", declarou.

Tedros Ghebreyesus acrescentou que os procedimentos aconselhados pela OMS em janeiro antes de ser declarada a pandemia da covid-19 - "encontrar casos, testar, isolar e rastrear contactos" - são baseados na "melhor ciência e provas disponíveis" .

"Podem ver que os países que os seguiram estão hoje numa posição melhor do que outros. Isso é um facto", afirmou, ressalvando que cabe aos países "aceitar ou rejeitar" o que a OMS diz.

"Não temos mandato para obrigar os países a aplicar o que aconselhamos", reconheceu, frisando que "cada país assume as suas próprias responsabilidades".

Numa altura em que muitos países na Europa e os Estados Unidos já pensam na reabertura da economia e no desconfinamento, a Organização Mundial de Saúde alerta que a pandemia está longe de estar terminada e mostra-se preocupada com a situação em África, América Latina e Europa de Leste.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 206 mil mortos e infetou quase três milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Perto de 810 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 928 pessoas das 24.027 confirmadas como infetadas, e há 1.357 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    28 abr, 2020 Funchal 13:04
    Estou a ficar farto, já nem ligo ao que este Dr. diz. Só lamentações e chavões. É preciso dar confiança e esperança, aos povos. OMS, está a revelar-se uma agencia fraca e caixa de ressonancia. Saude

Destaques V+