|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Covid-19. Concessionários pedem mais espaço no areal para garantir distância entre banhistas

23 abr, 2020 - 15:00 • Manuela Pires

A pouco mais de um mês da abertura da época balnear são ainda muitas as incertezas. Devido à pandemia de Covid-19, as praias vão ter lotação máxima de banhistas para cumprir o distanciamento social. Na Costa de Caparica há quem defenda o aumento da área concessionada. Em Cascais a opção pode passar por uma abertura gradual das praias.

A+ / A-

Veja também:


Como é que se pode controlar o número de pessoas num areal tão extenso como o da Costa de Caparica? E quem vai fazer esse controlo? A solução pode passar por um aumento da área concessionada.

A ideia é apresentada à Renascença pelo presidente da Associação de Apoios de Praia Frente Urbana da Costa da Caparica. Acácio Bernardo diz que o que está definido com a capitania de Lisboa é os concessionários ocuparem apenas um terço do areal.

“Mas, se for ao contrário? Se nós ocuparmos dois terços da praia, conseguimos controlar a praia toda. Colocamos os chapéus e as espreguiçadeiras a uma distância razoável e assim procedemos ao distanciamento entre os banhistas”, sugere Acácio Bernardo.

O presidente da Associação de Apoios de Praia Frente Urbana da Costa da Caparica já tem, nesta altura, o esquema preparado para a próxima época balnear.

Na zona da Costa da Caparica, no concelho de Almada, seriam necessários 12 a 15 nadadores salvadores, mas o plano terá de ser adaptado ás novas circunstâncias.

“Nós já contratámos oito a 10 nadadores salvadores e, até ao arranque da época balnear, completamos o número exigido”, refere o presidente da Associação de Apoios de Praia Frente Urbana da Costa da Caparica, que reconhece que este vai ser um verão muito complicado.

Numa área de quatro quilómetros e meio há 11 concessionários que empregam, por ano, perto de 500 pessoas. Questionado pela Renascença sobre se uma das hipóteses para controlar o acesso às praias podia ser o encerramento dos parques de estacionamento, Acácio Bernardo diz que “isso seria rebentar com o pessoal todo. Mas não estou a ver aqui agentes suficientes para fiscalizarem o controlo do número de pessoas na praia”.

Cascais avalia abertura gradual das praias

Em Cascais, a câmara municipal está ainda a avaliar e a manter contactos com todos os intervenientes nesta área para tomar decisões.

Entrevistada pela Renascença, a vereadora com o pelouro do Ambiente, Joana Pinto Balsemão, diz que “há vários fatores que temos de ter em conta: ser cautelosos, ponderar uma abertura gradual e garantir que todos têm acesso igual à praia”.

Joana Pinto Balsemão garante que a reabertura das praias tem de ser feita em segurança e que, para além dos banhistas, há que ter em conta a atividade comercial, dos restaurantes e esplanadas e ainda as escolas de surf e de outros desportos.

Uma das ideias pode passar por “primeiro abrir para atividades desportivas para pessoas que não permaneçam muito tempo no areal e que não estejam em grupos grandes e depois para outra tipologia de atividades”, refere Joana Pinto Balsemão.

A vereadora da Câmara de Cascais tem ainda muitas dúvidas sobre como vai ser possível fiscalizar as novas regras de acesso à praia, “por exemplo a capitania de cascais tem a jurisdição de 77 quilómetros de área de costa e tem poucos meios, são 16 agentes, um chefe e um subchefe”.

Quanto às notícias que vão sendo conhecidas, Joana Pinto Balsemão critica o facto de a Câmara de Cascais não estar a ser ouvida sobre esta matéria. “Sei que nestas reuniões técnicas está a associação nacional de municípios, mas não reflete todas as especificidades do litoral”, afirma a vereadora.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    23 abr, 2020 Lisboa 20:31
    Praias (quase) privadas, é o que os concessionários querem. O sonho do Belmiro em Troia, agora na Costa da Caparica.
  • Filipe
    23 abr, 2020 évora 16:24
    Tem de arranjar máscaras à prova de água e com buracos para os fumadores , para os que bebem cerveja nas esplanadas e nos restaurantes .