|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus

​Alemanha podia ser a locomotiva da Europa, mas está a ser o travão, diz primeiro-ministro italiano

20 abr, 2020 - 17:40 • Sílvio Vieira

Em entrevista ao jornal alemão “Suddeutsche Zeitung”, Giuseppe Conte sugere, de novo, a emissão de “coronabonds” como resposta à crise criada pela pandemia de Covid-19. “Deixaram a Itália sozinha”, lamenta.

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro italiano critica a posição de alguns Estados-membros da União Europeia, nomeadamente Alemanha e Holanda, pela forma como estão a reagir à necessidade de resposta comunitária à crise criada pela pandemia de Covid-19.

Em entrevista ao o jornal alemão “Suddeutsche Zeitung”, Giuseppe Conte volta a determinar a emissão de títulos de dívida comum, “coronabonds”, como melhor solução para ajudar à retoma da economia na UE e, sobretudo, como apoio para os países mais necessitados. Medida recusada pelos alemães, que Conte acusa de estarem a ser o “travão da Europa”, quando podiam ser a locomotiva.

“A Alemanha tem uma balanço comercial superior ao exigido pelas regras da UE e com este excedente não opera como a locomotiva da Europa, mas sim como um travão da Europa. A UE precisa de utilizar todo o seu poder de fogo, especificamente através da emissão de títulos de dívida comum”, defende.

O apoio de 500 milhões de euros, aprovado pelo Eurogrupo, que será canalizado através do Mecanismo Europeu de Estabilidade, não convence o primeiro-ministro italiano, que não se esquece dos "sacríficios inaceitáveis que foram pedidos aos gregos, na última crise financeira, para obterem créditos".

Conte censura, ainda, a posição da Holanda, que “com o seu ‘dumpling” fiscal atrai milhares de multinacionais, que para lá transferem as próprias sedes, e obtém fluxo massivo de receitas tributárias, roubadas a outros parceiros da União”. O primeiro-ministro italiano argumenta que os holandeses beneficiam dos parceiros comunitários, mas na hora de retribuírem retraem-se.

Alemanha, Holanda, Áustria e Finlândia. São estes os quatro países que resistem à emissão de “coronabonds” como uma das soluções para atacar a crise criada pela pandemia. A falta de reposta rápida a um problema urgente gera “desconfiança” nos italianos em relação a UE. “É indiscutível: deixaram a Itália sozinha. A desconfiança dos italianos da UE nasce no facto de nos termos sentido abandonados por países que tiram grandes vantagens de estar na União”, regista Conte, nesta entrevista ao “Suddeutsche Zeitung”.

A presidente da Comissão Europeia pediu desculpas, reconhecendo que “muitos não agiram a tempo quando Itália mais precisou, no início”. Um gesto apreciado pelo chefe de Governo italiano que espera a Europa acabe por “dar uma resposta”. “Estamos a viver o maior choque desde a II Guerra Mundial”, sublinha.

A Itália é um dos países mais afetados pela pandemia de Covid-19, aquele que regista maior número de óbitos até à data, com 23.660 mortos; é o terceiro com mais casos (178.972), apenas superado por Estados Unidos (761.991) e Espanha (200.210).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sonia
    21 abr, 2020 Afife 12:28
    Obrigado pela sua atenção a renascença pelas informações