|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

Guterres responde a Trump. “Não é o momento de reduzir" financiamento à OMS

15 abr, 2020 - 06:32 • Lusa

Depois de acusar a Organização Mundial de Saúde de favorecer a China, o Presidente dos EUA decidiu anunciar o fim do financiamento. Guterres já tinha dito que “este não é o momento”.

A+ / A-

Veja também:


O secretário-geral da ONU diz que este "não é o momento de reduzir o financiamento das operações da Organização Mundial da Saúde” (OMS) “ou de qualquer outra instituição humanitária que combata” o novo coronavírus. É a resposta de António Guterres ao anúncio, feito na terça-feira, por Washington.

"A minha convicção é que a Organização Mundial da Saúde deve ser apoiada por ser absolutamente essencial aos esforços do mundo para ganhar a guerra contra a Covid-19", salientou Guterres no mesmo dia.

Já na semana passada (dia 8 de abril), o secretário-geral das Nações Unidas tinha reagido às críticas norte-americanas à OMS, lembrando que a organização, com milhares de funcionários, está na linha da frente da luta contra a pandemia e no apoio aos Estados-membros da ONU, "principalmente os mais vulneráveis", com diretivas, formação e equipamento.

António Guterres realçou que "os mesmos factos podem ser interpretados de forma diversa por diferentes entidades".

"Uma vez voltada a página desta epidemia, será tempo de rever para compreender como uma tal doença pode acontecer e alastrar tão rapidamente a sua devastação por todo o mundo", salientou.

"As lições aprendidas serão essenciais para gerir eficazmente desafios semelhantes, se surgirem no futuro", acrescentou.

"Mas este não é o momento (...) e também não é o momento de reduzir os recursos para as operações" da OMS no combate contra a pandemia, reforçou, para concluir que “o momento agora deve ser de unidade da comunidade internacional para trabalhar em conjunto, de forma solidária, para deter este vírus e consequências esmagadoras".

Mas as palavras não chegaram a Donald Trump, que decidiu concretizar a ameaça e fechar mesmo o financiamento à OMS.

“Ordeno a suspensão do financiamento para a Organização Mundial da Saúde enquanto estiver a ser conduzido um estudo para examinar o papel da OMS na má gestão e ocultação da disseminação do novo coronavírus”, anunciou na terça-feira.

Perante os jornalistas, o Presidente norte-americano considerou que “o mundo recebeu muitas informações falsas sobre a transmissão e mortalidade” da doença Covid-19 e referiu que os EUA contribuem com “400 a 500 milhões de dólares por ano” (entre 364 e 455 milhões de euros) para a OMS, em oposição aos cerca de 40 milhões de dólares (mais de 36 milhões de euros), ou “ainda menos”, que Trump estimou que fosse o investimento da China na organização.

Donald Trump advogou ainda que se a OMS “tivesse feito o seu trabalho e enviado especialistas médicos para a China”, para averiguar a “situação no local”, a pandemia poderia “ter sido contida na fonte com pouquíssimas mortes”.

A pandemia da Covid-19 já causou mais de 124 mil mortos e infetou quase dois milhões de pessoas em quase todo o mundo.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, sendo atualmente os Estados Unidos o país com maior número de mortos (26.064) e de infetados, com mais 600 mil casos confirmados.

O número total de infetados na China desde o início da pandemia é de 82.295, dos quais 3.342 morreram.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Nelson Soares
    15 abr, 2020 Castanheira do Ribatejo 14:41
    António Guterres devia estar mais preocupado pelo Lobby pró Aborto e LGBT que comandam a Agenda da ONU, que não são conciliàveis com os Direitos Humanos, situações como a Venezuela. Eu ouvi pela boca do próprio presidente da OMS, que o Aborto não pode parar. Nunca ouvi Guterrez pronunciar.-se. Assassinos à frente da OMS, basta de calcar os Direitos Humanos e toda a Humanidade, mesmo que não queiram ter consciência disso. Só a verdade nos torna livres.