|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Pandemia de Covid-19

Norte recebeu mais de metade dos 302 novos ventiladores. Há outros 300 a caminho

10 abr, 2020 - 22:00 • Eduardo Soares da Silva

O Ministério da Saúde revela que foram distribuídos 302 novos ventiladores pelo país, entre aquisições da Administração Central do Sistema de Saúde, empréstimos e doações de particulares e empresas. Portugal já realizou mais de 150 mil testes à Covid-19 e há 900 mil testes disponíveis a partir de domingo. O Governo tem ainda 25 milhões de equipamentos de proteção individual para distribuir.

A+ / A-

Veja também:


Mais de metade dos novos ventiladores distribuídos pelo país nos últimos dias foram para a região Norte, de forma a combater a propagação do novo coronavírus, indica esta sexta-feira o Ministério da Saúde em comunicado.

No total, foram distribuídos 302 novos ventiladores: 164 para o Norte, 12 para a zona Centro, 118 para a região de Lisboa e Vale do Tejo, quatro para o Alentejo e quatro para o Algarve. (O comunicado coloca erradamente o Centro Hospitalar Médio Ave - Santo Tirso e Famalicão - na região Centro; nesta contabilidade considera-se como correspondendo à zona Norte).

O Governo esclarece assim a distribuição geográfica dos ventiladores, depois de a Renascença ter questionado António Costa sobre a política de distribuição de donativos e equipamentos pelo país. O primeiro-ministro diz que "não pode responder pelos mais diversos movimentos de iniciativa espontânea para a distribuição de equipamentos", mas sim "unicamente pelos equipamentos que adquire e distribui pelo Serviço Nacional de Saúde".

A região Norte é a mais afetada pela Covid-19, com 8.897 casos confirmados, de um total de 15.472 infetados em Portugal desde o início do surto, segundo os números divulgados esta sexta-feira pela Direção-Geral da Saúde.

Neste comunicado, especifica-se o número de equipamentos distribuídos por cada unidade de saúde, entre doações, aquisições e empréstimos.

140 ventiladores emprestados, 97 doados, 66 comprados. Mais 300 a caminho

Entre os donativos, destaca-se o da empresária Ming Hsu, uma milionária chinesa proprietária da promotora Reformosa, com vários projectos imobiliários na Área Metropolitana de Lisboa, que doou 4,6 milhões de euros em equipamento médico e 78 ventiladores para unidades de saúde da região. O Governo esclarece agora, sem referir o nome, que estes foram distribuídos "de acordo com a vontade expressa dos doadores".

A nota indica ainda que "os restantes 3 ventiladores transportados nesse voo foram adquiridos pela Câmara Municipal de Cascais para fins decididos por esta entidade".

A Galp ofereceu 19 ventiladores: 11 foram entregues a hospitais do Norte, quatro foram para a zona Lisboa e Vale do Tejo e quatro para o Alentejo.

A título de empréstimo, 140 ventiladores não invasivos foram cedidos pela empresa empresa Air Liquide: 101 foram enviados para unidades de saúde do Norte, 14 foram entregues na zona Centro, 21 em Lisboa e Vale do Tejo e quatro no Algarve.

Já a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) encomendou 63 ventiladores, que chegaram a Portugal a 5 de abril num voo da TAP. Destes, 62 foram já distribuídos: 48 na zona Norte, dois na zona Centro e 12 na região de Lisboa e Vale do Tejo. Um ventilador está em reparação e, por esse motivo, ainda não foi entregue.

De acordo com a nota, os ventiladores adquiridos pela ACSS são distribuidos de forma "a permitir a ativação do máximo número de camas de nível 3 (intensivas), no respeito da lógica da Rede de Referenciação de Medicina Intensiva" e "alocar a cada serviço hospitalar equipamento que já seja conhecido e utilizado".

Até 19 de Abril, o SNS poderá contar com mais 300 ventiladores. O Ministério da Saúde garante que "serão distribuídos tendo por base os mesmos critérios técnicos definidos pela Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva".

No último domingo, a ministra Marta Temido referiu a quase duplicação da capacidade de ventiladores no Serviço Nacional de Saúde (SNS), garatindo que Portugal ia receber 1.538 novos equipamentos, que são usados nos casos mais graves de infeção pelo novo coronavírus. No anúncio de hoje, são referidos apenas 603, entre os 302 que o Estado recebeu e já distribuiu e os 300 que chegarão até 19 de abril.

Em reação à divulgação destes dados, o bastonário da Ordem dos Médicos considera que a transparência é "importante", mas ressalva que seria "de bom tom haver um equilíbrio" entre doações privadas e materiais adquiridos pelo Estado. "Se o Estado deve ou não deve regular esta questão das doações privadas em estado de emergência é outra questão que pode ser discutida", diz Miguel Guimarães.

25 milhões de equipamentos de proteção individual

O Ministério da Saúde esclarece ainda que existem no país, nesta altura, 25 milhões de diversos equipamentos de proteção individual (EPI). O Governo utilizará cerca de 20 milhões destes equipamentos e os restantes serão afetos às áreas governativas da Segurança Social, Defesa e Justiça.

Cerca de cinco milhões de máscaras cirúrgicas serão distribuidas na zona Norte, 1,6 milhões na zona Centro, 3,2 milhões para Lisboa e Vale do Tejo, 130 mil para o Alentejo e 100 mil para o Algarve. O Ministério não especifica por que zonas de cada região serão distribuídas as máscaras.

Já no que diz respeito a respiradores (máscaras do modelo FFP2, usadas por profissionais de saúde), um milhão serão direcionadas para a zona Norte, 450 mil para a zona Centro, 350 mil para a região de Lisboa e Vale do Tejo, 41 mil para o Alentejo e 44 mil para o Algarve.

A nota do Governo não refere a entrega de novos ventiladores ou equipamentos de proteção individual para a Madeira ou para os Açores.

Portugal já realizou mais de 150 mil testes à Covid-19

Em relação à capacidade de testagem, o Ministério da Saúde esclarece que foram feitos um total de 151.113 testes de diagnóstico à Covid-19, dos quais 17.083 foram positivos (11,3%), desde 1 de março, o que dá uma média de quase 9 mil testes por dia.

Dia 8 de abril foi aquele em que foi efetuado o maior número de testes: 10.177.

No próximo dia 12 de abril irão ser entregues na Reserva Estratégica do Ministério da Saúde cerca de 900 mil testes, que serão de imediato distribuídos pelas diferentes Administrações Regionais de saúde e Regiões Autónomas, de acordo com as necessidades identificadas.

Quantos ventiladores para cada hospital?

Zona Norte

  • Centro Hospitalar Universitário de S. João– 51
  • Centro Hospitalar Universitário do Porto (Hospital de Santo António) – 38
  • Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho – 15
  • Unidade Local de Saúde de Matosinhos (Hospital Pedro Hispano) – 15
  • Hospital de Braga – 11
  • Unidade Local de Saúde do Nordeste (Bragança) - 9
  • Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (Penafiel) – 9
  • Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga (Santa Maria da Feira) – 7
  • Unidade Local Saúde Alto Minho (Viana do Castelo) - 5
  • Centro Hospitalar do Médio Ave (Santo Tirso e Famalicão) – 4

Zona Centro:

  • Centro Hospitalar Baixo Vouga (Aveiro) – 8
  • Centro Hospitalar Tondela-Viseu – 4

Zona de Lisboa e Vale do Tejo

  • Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (S. José, Capuchos, Curry Cabral e Santa Marta) - 20
  • Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Ocidental (S. Francisco Xavier, Egas Moniz e Santa Cruz) - 20
  • Hospital Garcia de Orta - 19
  • Hospital Beatriz Ângelo – 15
  • Hospital de Cascais – 15
  • Centro Hospitalar Médio Tejo (Torres Novas) - 10
  • Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) - 8
  • Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Norte (Santa Maria e Pulido Valente) - 4
  • Centro Hospitalar de Setúbal – 2
  • Centro Hospitalar Barreiro Montijo – 2

Zona do Alentejo:

  • Hospital do Espírito Santo de Évora – 2
  • Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (Beja) – 2

Zona do Algarve:

  • Centro Hospitalar Universitário do Algarve (Faro) - 4

Nota: Mais três para fins decididos pela Câmara Municipal de Cascais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.