|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

Instituto Ricardo Jorge fará teste-piloto à imunidade da população até à primeira semana de maio

09 abr, 2020 - 12:31 • Inês Braga Sampaio

O presidente do Instituto Nacional de Saúde salienta que, para já, não faz sentido avançar com um teste geral, uma vez que a pandemia do novo coronavírus ainda é recente, em Portugal.

A+ / A-

Veja também:


O Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) vai avançar, no final de abril ou no início de maio, com um teste-piloto de avaliação da imunidade da população portuguesa ao novo coronavírus.

A revelação foi feita pelo presidente do conselho diretivo do INSA, Fernando Almeida, esta quinta-feira, na conferência de imprensa de atualização da situação da pandemia de Covid-19 em Portugal.

"Nós prevemos que, no final do mês de abril ou na primeira semana de maio, se arranque este inquérito-piloto, para uma população de 1.700 pessoas, para perceber as primeiras proporções de imunização, como funcionam os testes e a logística que será necessária. Mais para a frente, quando for admissível que a população tenha níveis de imunidade mais elevados, iremos fazer, naturalmente, um grande inquérito à população. Temos de perceber a oportunidade de aplicação e implementação destes testes e vamos fazê-lo logo que a curva epidemiológica o aconselhe", anunciou.

Fernando Almeida salientou que o que está em questão "não é a credibilidade do teste ou a sua mais-valia, sensibilidade ou especificidade", mas sim "a oportunidade de fazer o teste".

Nesse sentido, "é discutível que se possa fazer agora testes em massa para detetar anticorpos, quando se sabe que o número de pessoas que desenvolveram anticorpos em Portugal ainda é relativamente pequeno".

Pertinência do teste de Marcelo questionada


O Presidente da República fez um teste sorológico e soube que não estava, ainda, imunizado. Confrontado com esse facto, Fernando Almeida salientou que estes testes "não servem para fazer um diagnóstico de infeção" - teste esse que Marcelo Rebelo de Sousa já fizera anteriormente -, mas sim para medir a "capacidade que o organismo tem de criar defesas através de anticorpos".

"Ou seja, se a pessoa já teve ou não teve e se está eventualmente imunizada. Esse assunto está ainda em análise, saber se a imunidade é duradoura", sublinhou o presidente do conselho diretivo do ISNA.

Nesse caso, qual foi a pertinência de Marcelo ter feito esse teste? Fernando Almeida preferiu "fintar" a pergunta: "Naturalmente, não me vou pronunciar sobre as decisões do Presidente da República."

Segundo a atualização desta quinta-feira, há registo de 13.956 casos confirmados e 409 óbitos por Covid-19, em Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.