|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Pandemia de Covid-19

​Ensaios clínicos com plasma de doentes curados arrancam "muito em breve"

09 abr, 2020 - 20:20 • Hugo Monteiro

Portugal junta-se a outros países europeus e vai avaliar uma terapêutica experimental que consiste em usar sangue de doentes que estão curados para tratar pacientes infectados com a Covid-19.

A+ / A-

Veja também:


Os ensaios clínicos para avaliar os tratamento com recurso a plasma de doentes curados devem arrancam muito em breve.

A confirmação é da presidente do Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST), Maria Antónia Escoval, que, em declarações à Renascença, explica que “Portugal tem já desenvolvido o procedimento para colheita de plasma convalescente. O que significa que a primeira fase deste processo está terminada e já estão identificados os locais onde poderá ser feita esta colheita”.

“A segunda fase será de elaboração de protocolos para ensaios clínicos. E é nessa fase que estamos”, sublinha.

Maria Antónia Escoval acredita, por isso, que “muito em breve” a nova terapêutica experimental começará a ser testada.

“Tudo isto evolui muito rapidamente e temos novidades científicas de um dia para o outro. Mas estamos todos a trabalhar em contra-relógio e a fazer o melhor possível e creio que teremos ensaios muito em breve. Mas é impossível dizer uma data”, esclarece.

A terapêutica consiste em usar o sangue de doentes curados para tratar pacientes infetados. Maria Antónia Escoval esclarece que Portugal junta-se, assim, a outros países europeus que tentam a comprovação científica de uma técnica utilizada, por exemplo, na China. Experiências que têm sido “bem sucedidas”, mas às quais falta alguma “comprovação científica”, que Portugal e outros países procuram agora alcançar.

Portugal tem, à data, 13.956 casos confirmados, 115.158 suspeitos, 205 recuperados e 409 mortes pela Covid-19.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.