|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Politécnico de Bragança vai fazer testes a utentes e trabalhadores de instituições da região

08 abr, 2020 - 08:57 • Olímpia Mairos

A instituição de ensino superior assina, esta quarta-feira, um protocolo com o Ministério do Trabalho Solidariedade e Segurança Social. O objetivo é ajudar na prevenção e evitar a disseminação da Covid-19 nas instituições de acolhimento de pessoas idosas da região.

A+ / A-

O Instituto Politécnico de Bragança (IPB) vai começar a realizar testes a utentes e trabalhadores de lares e outras instituições sociais em Trás-os-Montes. O serviço emerge de um protocolo com o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e com a Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste e será oficializado, esta quarta-feira, em Bragança.

Na assinatura do documento marcarão também presença o ministro da Ciência Tecnologia e Ensino Superior e a ministra da Coesão Territorial, que aproveitarão para discutir diversos projetos em curso no IPB, na área do combate à Covid-19.

A realização de testes vai desenvolver-se em cooperação com a Unidade Local de Saúde do Nordeste, mediante um protocolo desenvolvido pelo Instituto de Medicina Molecular e certificado pelo INSA - Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

De acordo com o IPB, “na realização destes testes” é seguido “o protocolo laboratorial desenhado pelo Instituto de Medicina Molecular (iMM)”. Este protocolo, explica a instituição de ensino superior, “baseia-se na metodologia desenvolvida pelo CDC “Center for Disease Control and Prevention (CDC) e foi certificado pelo INSA - Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

IPB prevê vir a fazer 348 análises por dia

O Instituto Politécnico de Bragança e a ULS Nordeste estimam realizar de “imediato 174 análises por dia” e, numa segunda fase, apontam para “uma capacidade de 348 análises por dia”.

O teste de diagnóstico para coronavírus 2 (SARS-COV-2), implementado no IPB, é um ensaio de identificação do vírus em RT-qPCR (PCR em tempo real) e usa reagentes produzidos em Portugal, pela empresa de biotecnologia NZYTech, conforme as recomendações do iMM.

“Desta forma, fica ultrapassada a escassez de reagentes que existe no mercado internacional devido à elevada procura e que levou à inoperacionalidade de outros métodos de análise”, assinala o IPB em nota enviada à Renascença.

IPB adapta estutura para dar melhor resposta

Para o desenvolvimento destes testes o IPB adaptou uma parte significativa dos laboratórios do Centro de Investigação de Montanha, dedicando um dos pisos integralmente à realização desta atividade e concentrando aí diversos meios e equipamentos.

A instituição de ensino superior, com sede em Bragança, desenvolveu também uma aplicação informática que permite o registo e acompanhamento do processo de análise. “Após a chegada das amostras ao IPB, o protocolo laboratorial de análise tem uma duração aproximada de cinco horas”, adianta a instituição de ensino superior.

Para a realização destas análises foi criada uma equipa de mais de 30 pessoas, cientistas e técnicos, que “aceitaram trabalhar no projeto de forma voluntária”. De acordo com a informação enviada à Renascença, o IPB e a ULS Nordeste desenvolverão todas as fases do diagnóstico, incluindo a recolha de amostras.

O IPB constitui ainda uma equipa de várias de dezenas de voluntários, disponíveis para responder em situações de crise em residências de acolhimento de idosos e outras instituições sociais. Foram ainda disponibilizadas as residências de Estudantes do IPB para responder a eventuais situações de emergência que venham a ocorrer.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.