|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Graça Freitas admite que Portugal pode estar no pico do coronavírus, mas "teremos de esperar mais uns dias"

08 abr, 2020 - 13:28 • Inês Braga Sampaio

A diretora-geral da Saúde assume que os últimos números têm manifestado estabilidade das curvas real e projetada. Contudo, avisa que o relaxamento nas medidas de contenção pode ter graves consequências.

A+ / A-
Veja também:

A diretora-geral da Saúde reconheceu, esta quinta-feira, que Portugal pode já estar no pico - ou planalto - da curva epidemiológica do novo coronavírus.

Na conferência de imprensa de atualização da situação da Covid-19, Graça Freitas explicou que há duas curvas. Uma com os dados conhecidos, ou seja, a realidade que se consegue captar. A segunda é criada a partir da primeira, por cientistas e académicos, que "projetam o futuro e acertam as curvas". Com base nas duas curvas, é feita "uma estimativa do pico ou planalto", que pode até já estar a acontecer - no entanto, isso não permite um relaxamento nas medidas de contenção.

"Nos últimos dias, tem havido uma certa estabilidade nas duas curvas, a real e a pojetada, o que pode indicar poderemos ou não estar em planalto. Mas isto não é um dado garantido, teremos de esperar mais uns dias. Sabemos que, com este novo vírus, se abrandarmos determinadas medidas, podemos ter um segundo pico ou planalto e uma segunda ou terceira onda. Temos de olhar para estes dados com muita cautela e precaução. Se abrandarmos as medidas que levaram ao abrandamento da curva, ela pode voltar a subir. Apesar de tudo, reconhecemos que tem havido uma estabilidade", assumiu a líder da Direção-Geral de Saúde (DGS).

A taxa de letalidade tem sido díspar nas diferentes regiões do país. Se no norte tem estado em linha com a média do país, na zona centro e no Algarve tem sido superior, ao passo que em Lisboa tem sido inferior.

Graça Freitas assumiu que terá de começar a ser feita padronização das taxas, "para saber como é que a estrutura demográfica altera a taxa de letalidade". Ainda assim, enumerou três fatores determinantes.

"Estão a morrer mais idosos e, quanto mais idosa for uma população, mais este valor pode ser aumentado. Depois, temos a questão da densidade populacional e a concentração de determinadas populações, nomeadamente o número de lares e o número de pessoas nesses lares. Destes vários fatores, pode advir uma diferença na taxa de letalidade. Também há intervenção, sempre, dos cuidados de saúde, que poderão variar de uma região para a outra. Os fatores demográficos, a densidade populacional e a concentração, principalmente em lares de idosos, podem determinar variações", justificou.

Teste à imunidade ainda é precoce


Quanto à imunidade da população, Graça Freitas sublinhou que, para já, é impossível fazer uma estimativa de quantas pessoas contraíram, efetivamente, o vírus e de quantas já estão imunes à doença.


"Um teste sorológico só deve ser feito quando há já uma subida de anticorpos, na fase de convalescença da doença. A ciência ainda não consegue dizer-nos exatamente quando será esse tempo adequado. Podemos ter anticorpos ao fim de 15 dias e eles ainda não terem comportamento protetor. Em que dia é começam a subir os anticorpos, até onde sobem e qual é o nível que é considerado protetor? Quando soubermos mais sobre estes testes, será muito útil para decidir, para ter a última prova, se alguém está protegido e se pode voltar à sua vida normal", esclareceu.

A diretora-geral da Saúde detalhou que só se consegue saber a imunidade de uma população fazendo inquéritos sorológicos, "que implicam tirar sangue a um elevado número de pessoas e testar anticorpos". Para tal, são precisas "metodologias bem firmes", tal como noção do tipo de testes e método a utilizar, e "o nível de anticorpos que é protetor", informação que ainda não existe para a Covid-19:

"Só posso saber para este novo coronavírus quando houver mais estudos. Tem de ter um número suficientemente elevado de anticorpos para se poder dizer que há proteção. O Instituto Ricardo Jorge está a trabalhar com outros países em projetos-piloto para afinar a metodologia dos testes e onde é que está o nível protetor."


Também não bastará um inquérito sorológico. Portugal e outros países terão de fazer repetições, "para saber se os anticorpos que sobem a partir de certa altura são protetores e o que é que lhes vai acontecer", isto é, "se se vão manter ou se vão baixar a imunidade" com o tempo.

"Isto varia de microorganismo para microorganismo. Há vírus e bactérias que dão uma imunidade protetora duradoura, alguns até para a vida, e há outros que decrescem ao longo do tempo. Neste momento, é muito prematuro fazermos estes estudos. Temos a infeção em Portugal há pouco mais que um mês. Os doentes que recuperaram começaram agora a ter a sua subida de anticorpos e não sabemos ainda se estão protegidos", concluiu Graça Freitas.

Portugal tem registo de 13.141 casos confirmados de contágio pelo novo coronavírus, que provoca a doença Covid-19, que já matou 380 pessoas, de acordo com a atualização desta quarta-feira da DGS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • sonia
    08 abr, 2020 AFIFE 21:34
    obrigado mais uma vez pelo grande esforco e grande proficionalismo pelas noticias que tem dado ao mundo
  • ANTÓNIO
    08 abr, 2020 QUEIJAS 14:23
    A varação das opiniões desta responsável parece que anda ao sabor da disposição de como acorda... uns dias é assim noutros o oposto. Não me parece ter coerente nas suas opiniões demasiado voláteis.