|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Vírus, os donos do mundo

07 abr, 2020 - 14:13 • Dina Soares

São estruturas muito simples. Muitos cientistas nem os consideram seres vivos. No entanto, quando assumem os comandos de uma célula, os vírus convertem-na numa eficaz máquina de reprodução e em poucas horas, um único vírus transforma-se em milhares.

A+ / A-

Veja também:


“Este vírus é muito inteligente”, afirmava, há uma semana, a diretora-geral da Saúde. Graça Freitas não estava a elogiar o intelecto do vírus, mas a sua capacidade de se propagar com grande facilidade e rapidez. Os vírus não são inteligentes, aliás, a comunidade científica ainda não conseguiu sequer pôr-se de acordo sobre se o vírus é um ser vivo, ou um meramente um agente infecioso. Seja o que for, os vírus são tão antigos como a própria vida e, juntamente com as bactérias, são os verdadeiros donos do mundo.

Já em meados do século XVI, o médico italiano Girolamo Fracastoro avançava com a teoria de que as doenças epidémicas seriam causadas por seres semelhantes a sementes, capazes de transmitir infeções. Fracostoro nunca chegou a ver as ditas “sementes”, mas Anton van Leeuwenhoek, comerciante de tecidos e cientista holandês, construiu um microscópio capaz de ampliar a imagem cerca de mil vezes, tornando-se a primeira pessoa a observar e descrever os micróbios.

Seria, no entanto, preciso esperar cerca de 300 anos para que Louis Pasteur avançasse com a teoria microbiana das doenças. Segundo o cientista francês, as doenças eram causadas e propagavam-se através de uma forma de vida ainda mais diminuta do que os micróbios já conhecidos, que se multiplicava no organismo de um ser vivo, que depois o passava a outro, e por aí fora.

Pasteur percebeu isso quando investigava a raiva, mas não viu o agente infecioso, pequeno demais até para a observação ao microscópio. Na verdade, só em 1931, com a invenção do microscópio eletrónico, é que o vírus foi visto pela primeira vez.

O padrinho do vírus

Martinus Beijerinck, um químico holandês, foi o padrinho destes seres. Chamou-lhes vírus, que em latim significa veneno, para os distinguir das criaturas microscópicas de natureza bacteriana.

Os vírus são seres submicroscópicos, com um diâmetro que varia, normalmente, entre 20 e 300 nanómetros (nm), uma unidade de medida que equivale a um bilionésimo de um metro.

Os vírus são estruturas muito simples, que dependem de células para se multiplicarem. No entanto, quando invadem uma célula, assumem os comandos e transformam-na numa fábrica de novos vírus.

Em poucas horas, um único vírus pode multiplicar-se em milhares de novos vírus capazes de infetar seres vivos de todos os domínios. Tanto os seres humanos, como os animais e as plantas podem ser afetados por vírus.

O primeiro vírus humano a ser descoberto foi o vírus da febre amarela, em 1901. Em 1937 já tinha sido inventada uma vacina para o combater. Aliás, 50 anos antes, já Pasteur tinha inventado a vacina contra a raiva.

Outra vacina que veio mudar o mundo foi a vacina contra a poliomielite, inventada pelo norte-americano Jonas Salk, e que começou a ser usada em 1955.

A idade de ouro dos vírus

A segunda metade do século XX foi a idade de ouro da descoberta de vírus. Foram reconhecidas mais de duas mil novas espécies. Em 1963, foi identificado o vírus da hepatite B e em 1983, a equipe de Luc Montagnier do Instituto Pasteur, isolou pela primeira vez o retrovírus que hoje conhecemos por VIH.

Entre as principais viroses humanas estão a gripe, a hepatite, a papeira, o sarampo, a varicela, a SIDA, a meningite, a pneumonia, o herpes, o dengue, e muitas outras doenças.

O tratamento das infeções virais é limitado, ou seja, há poucos tratamentos, e destinam-se sobretudo a tratar os sintomas como a febre ou as dores.

Descanso, hidratação e analgésicos, são as alternativas mais comuns. Existem algumas substâncias antivirais, utilizadas no tratamento específico de determinados vírus. No campo da prevenção, as vacinas são soluções médicas bastante eficazes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Desabafo assim
    07 mai, 2020 14:49
    Os vírus não aspiram à supremacia, são obreiros, fazem sim frente aos senhores do mundo.