|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19. Rui Rio propõe alargamento do "lay-off", reforço da linha de crédito e redução do IMI

06 abr, 2020 - 16:12

Líder do PSD apresenta medidas para combater os efeitos do coronavírus na economia portuguesa.

A+ / A-
Veja também:

O líder do PSD, Rui Rio, anunciou esta segunda-feira contributos para as medidas de combate aos efeitos económicos da pandemia de Covid-19, entre as quais alargar o acesso ao lay-off, reforço da linha de crédito às empresas, desconto de 20% no IMI para negócios e famílias e revisão da moratória ao crédito para que os portugueses "não paguem juros sobre juros".

Rui Rio explica que estes "melhoramentos" ao plano do Governo e novas ideias representam um custo adicional de 300 milhões de euros: “pouco dinheiro face a dimensão do que estamos a falar”.

“Somos oposição ao vírus”, declarou o líder do PSD, que defende a importância deste pacote de medidas para as empresas terem liquidez para pagar o que devem e as famílias possam manter "algum rendimento".

"Depois anunciaremos medidas para a retoma da economia, em maio ou junho", adiantou Rui Rio.

Medidas propostas pelo PSD

  • desburocratização e alargamento do acesso ao lay-off. O PSD propõe que o Estado passe a pagar diretamente aos trabalhadores e não a reembolsar as empresas. “É melhor para os trabalhadores, porque as empresas podem até nem ter tesouraria” para pagar a parte que lhes cabe. Para o Estado custa a mesma coisa
  • Alargamento do lay-off às empresas do setor empresarial local, ou seja, as empresas municipais
  • Considerar os sócios-gerentes de empresas como um trabalhador, para terem direito a apoios da Segurança Social. “Não tem lógica nenhuma, essas pessoas ficarem desprotegidas”
  • Estado deve "pagar de imediato" todas as dívidas que tem aos seus fornecedores, para dar liquidez às empresas em tempo de crise
  • Redefinir as linhas de crédito de apoio à tesouraria das empresas, mas também dos empresários em nome individual e os profissionais liberais. “Propomos o alargamento das linhas de crédito de três mil milhões de euros para dez mil milhões de euros”, defende Rui Rio. Isentar as micro empresas de comissão de gestão ou acompanhamento. O custo global que as empresas pagam pelos créditos deve ser igual ou inferior a 1,5%
  • Alargamento dos prazos fiscais: passar o pagamento do IVA do primeiro e segundo trimestre deste ano para abril, passar o pagamento do IRC e dos pagamentos por conta em IRC, do primeiro semestre, para outubro; dispensar os profissionais liberais do pagamento do pagamento por conta em sede de IRS. Passar o pagamento da taxa social única (TSU), de abril e maio, para outubro
  • Redução do IMI para as pequenas e médias empresas em 20%, durante 2020
  • Redução do IMI das famílias em 20%, este ano, para habitação própria e permanente. Quem tiver várias casas, só tem a redução na casa onde habita
  • Alterar o regime de moratório dos créditos à habitação, para que as pessoas não paguem juros sobre juros
  • Transformar incumprimentos bancários em dívida a três anos. “deixa de ser um incumprimento e passa a somar à dívida que tinha”, explica Rui Rio, com a manutenção das condições do empréstimo
  • Em relação às pessoas que estão sem trabalhar por causa do estado de emergência, as empresas poderem utilizar metade das férias das pessoas por conta deste período de paragem
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.