|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Marcelo vê "grande mobilização" da banca para "ajudar sociedade a enfrentar período difícil"

06 abr, 2020 - 18:33 • Redação

A banca, adianta o Presidente da República, já tomou iniciativas próprias para além da aplicação das medidas aprovadas pelo Governo.

A+ / A-
Veja também:

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vê "grande mobilização" da banca para "ajudar sociedade a enfrentar período que será difícil" na sequência da pandemia de Covid-19.

O chefe de Estado falava esta segunda-feira no final de uma reunião com os líderes das principais instituições bancárias nacionais.

"Saio desta reunião com a sensação de que a banca portuguesa está a acompanhar de forma muito atenta a realidade do nosso país, aquilo que se vive nas empresas e nas famílias, por todo o país, a nível nacional e regional", declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

A banca, adianta o Presidente, já tomou iniciativas próprias para além da aplicação das medidas aprovadas pelo Governo e já começou a agir.

"Quanto às medidas aprovadas pelo Governo, a banca já começou os processos para colocar no terreno o financiamento previsto nessas medidas. É um processo nalguns casos mais pesado, noutros menos, mas demora tempo. Mesmo assim, em casos que foram expostos, ou já chegou ou vai chegar ou está a chegar nos próximos dias e semanas, progressivamente, às empresas portuguesas", sublinha.

Marcelo Rebelo de Sousa diz que deixa a reunião com um "estado de espírito motivado" pelas garantias que ouviu da parte dos banqueiros.

Máscara, sim ou não?

Sobre a discussão se as máscaras de proteção devem ser generalizadas à população, o Presidente da República diz que vai cumprir o que for decidido pelas autoridades de saúde.

“Não vou entrar naquilo que é uma decisão científica e técnica. Compete às autoridades sanitárias, nacionais e internacionais, decidirem em que casos, em que situações e com que amplitude se deve efetuar esse tipo de proteção”, afirma Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado afirma que, enquanto “cidadão cumpridor”, vai acompanhar as determinações oficiais sobre utilização de máscara de proteção.

“Sou um cidadão cumpridor, se houver obrigatoriedade de uso de uma forma generalizada eu usarei. Se não houver e houver apenas em situações de risco, para pessoas de risco, naturalmente que eu seguirei o entendimento relativamente a esse risco”, sublinha Marcelo Rebelo de Sousa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ferraz
    06 abr, 2020 V.N.Gaia 20:23
    Sr. Marcelo a banca brinca consigo. Para quê reunião para se pagar juros de 3 ou ,4% . Os contribuintes pagaram para os bancos e não foi tão pouco e agora.... não perca tempo Sr presidente. A reunião não serviu para nada e vai dar-me razão.
  • Cidadao
    06 abr, 2020 Lisboa 20:01
    Já agora, que é isso de permitir a continuação da construção dessa disneylandia para turistas que é a linha circular do Metro em Lisboa, isto depois da Assembleia da República, votar contra, e a UE dar autorização para usar esse dinheiro, não para carroceis para turistas - que depois do covid, vão é ficar em casa - mas para prolongar a linha até Loures e Alcântara que faz muito mais falta que uma linha para andar às voltinhas com turistas?