|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19. Especialista defende testes à imunidade dentro de um a dois meses

05 abr, 2020 - 19:35 • Hugo Monteiro

Carlos Neto Braga, especialista em Imunoalergologia, defende, em condições ideais, os testes deviam abranger a totalidade da população.

A+ / A-

Veja também:


Os estudos ainda estão a ser feitos e podem ser demorados, no entanto, o ideal seria começar a analisar a imunidade dos portugueses ao novo coronavírus no período de um a dois meses. A convicção é do especialista em Imunoalergologia Carlos Neto Braga.

Em entrevista à Renascença, este médico do Hospital da Luz de Setúbal explica que, no que respeita à resposta imunitária, “a evolução é de 4 a 6 semanas”, os testes à imunidade deviam ser feitos daqui a “um mês ou dois”. Seria esse “o cenário ideal”.

Este especialista em Imunoalergologia explica que as análises à imunidade são fundamentais para perceber quem poderá regressar, de forma gradual, à sua vida normal.

Carlos Neto Braga defende, por isso, que, “numa primeira fase, fossem testados os que foram infetados, para perceber se podem regressar à vida normal”. Depois “seria importante estender os testes a toda a população, para perceber quem está imune e quem não está, para decidir quem terá de cumprir ainda algumas medidas de isolamento, até haver uma vacina”.

Neto Braga sublinha que os testes são semelhantes a outros que já existem para outros vírus. Lembra, ainda, que há um fator sempre a ter em conta: a possibilidade de o vírus sofrer mutações. Um dado que é fundamental para a criação de uma vacina.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.