Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Dois em cada dez jovens parou de beber ou consome menos álcool por causa da pandemia

04 abr, 2020 - 18:17 • Lusa

O trabalho do Instituto Europeu para o Estudo dos Fatores de Risco em Crianças e Adolescentes (IREFREA Portugal) foi realizado através de um questionário 'online' disseminado entre contactos de estudantes durante 15 dias, do qual resultaram 687 respostas válidas.

A+ / A-

Veja também:


Perto de um terço dos jovens portugueses (62,4%) acredita que a pandemia de covid-19 contribuiu para a alteração de consumo de álcool e drogas, com 18,1% a referir que consome menos álcool ou deixou de beber.

As conclusões constam de um inquérito nacional realizado pelo Instituto Europeu para o Estudo dos Fatores de Risco em Crianças e Adolescentes (IREFREA Portugal) no qual 37,3% revelam ter diminuído o consumo de tabaco ou ter deixado de fumar e 16,5% acreditam que o consumo de substâncias ilícitas irá ser menor durante a pandemia.

Realizado em parceria com a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, este estudo mostrou que são os consumidores ocasionais que relatam as maiores mudanças nos seus hábitos.

Devido à pandemia de covid-19, 36,4% dos jovens que participaram no inquérito pretendem alterar os comportamentos de convívio no futuro, com 10% a sublinharem que darão mais prioridade a atividades ao ar livre e às relações interpessoais.

Dirigido aos escalões etários dos 16 aos 35 anos, o estudo visou perceber a posição dos jovens face às medidas de contenção da pandemia do novo coronavírus, no sentido de pôr em prática algumas estratégias preventivas mais eficazes.

O trabalho foi realizado através de um questionário 'online' disseminado entre contactos de estudantes durante 15 dias, do qual resultaram 687 respostas válidas.

O estudo mostrou que 63,3% dos jovens participantes consideram reduzir o número de saídas à noite. Dos inquiridos, 98,7% concordam com o encerramento obrigatório de bares e discotecas, e 45,7% são a favor do encerramento de fronteiras.

Para Fernando Mendes, presidente do IREFREA Portugal, estes resultados demonstram que ao contrário do que se tem veiculado sobre a atitude irresponsável dos jovens, existe uma opinião favorável à contenção da epidemia.

Para o psicólogo, é, porém, necessário manter a contenção já que existe uma “franja considerável que não a reconhece como essencial”.

Perto de 57% dos inquiridos consideram que o confinamento provocou um aumento da utilização de redes sociais enquanto 28,1% da amostra não planeia ou tem dúvidas se vai alterar a forma como se relacionam com os amigos durante este período.

Das respostas analisadas no estudo, 25,8% reportavam-se ao sexo masculino e 73,4% ao feminino. Quanto à média de idades, no casos dos homens era de 23,4 (com mais ou menos 4,3 anos) e no caso das mulheres era de 22,9 a nos (com mais ou menos 4,2 anos). A profissão mais referida foi a de estudante (61,3%), seguindo-se os trabalhadores por conta de outrem (19,8%) e 3,5% dos inquiridos eram desempregados.

Quanto à área de residência, 66,4% vivem em território urbano e 75,1% com a família de origem.

Dos 687 jovens, 6,7% não bebem álcool, 42,1% não fumam e 66,2% não usam cannabis. No que respeita a consumos diários, 1,5% bebe álcool, 16.6% fumam e 2% usam cannabis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+