|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus. Bloco de Esquerda não quer bancos a lucrar com a crise

04 abr, 2020 - 19:16 • Lusa

Catarina Martins deixou mensagem nas redes sociais.

A+ / A-

Veja também:


A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, defende que os bancos têm de ter regras para não lucrarem com a crise da covid-19, afirmando que toda a folga financeira que tiverem deve ser canalizada para solidariedade.

"Os bancos não podem cobrar comissões e os 'spreads' têm de ser baixos porque não correm riscos e o Banco Central Europeu já lhes está a pagar para emprestarem dinheiro", afirmou, num vídeo colocado nas redes sociais.

Segundo refere Catarina Martins, o Banco Central Europeu decidiu, no início da crise, alterar as regras dos bancos "para permitir que dessem mais crédito" e "aumentou os empréstimos a juros negativos", estando, portanto, "a pagar aos bancos para os bancos depois emprestarem às empresas".

Por outro lado, o Governo português "pediu aos bancos portugueses para fazerem moratórias sobre as prestações bancárias das empresas e as hipotecas das casas e lançou linhas de crédito com garantia pública".

Com isto, explica a coordenadora do BE, "quando os bancos emprestam, não correm riscos, porque, em última instância, a garantia é do Estado".

Mas, segundo a deputada, o que os bancos fizeram foi adiar, "o mais que puderam, o lançamento de moratórias, venderam créditos com comissões e 'spreads' altos e têm mesmo negado moratórias", além de terem lançado "linhas de crédito com 'spread' e comissões altas".

Por isso, a coordenadora do Bloco, defende a imposição de mais duas regras: por um lado, os bancos "têm de dar toda a informação às empresas e às pessoas e não podem impor créditos a quem tem direito a moratórias" e, por outro, "não pode haver distribuição de dividendos nem de prémios a administradores" porque "toda a folga que existe tem de ser para a solidariedade".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    04 abr, 2020 évora 23:52
    No crédito a habitação própria e permanente , deviam os bancos serem obrigados por decreto a terem no máximo 1% nos spreads e proibidos de cobrar taxas de comissão pelo pagamento da prestação mensal . É uma vergonha que cada vez que se vá ao banco para negociar o spread para mais baixa taxa , os bancos para o fazerem obriguem os clientes a contratarem uma carteira de produtos e daí com a baixa do spread por vezes em 0.5% obterem depois lucros superiores exponenciais nos produtos que obrigam a contratar .