Tempo
|
A+ / A-

Frederico Lourenço: Pandemia é “Deus ou o destino a porem-nos à prova para mostrarmos a melhor natureza”

03 abr, 2020 - 15:00 • Maria João Costa

O Prémio Pessoa 2016 usa este tempo de quarentena para dar aulas de latim, gratuitas online. Já tem mais de 11 mil alunos. Em entrevista à Renascença, reflete sobre o tempo que vivemos, diz que a ideia de castigo divino da Humanidade “não corresponde à ideia de Deus”.

A+ / A-

“O isolamento para mim não é problema, porque isso é para mim o meu estado normal [risos]”, confessa Frederico Lourenço numa entrevista telefónica à Renascença. O escritor e ensaísta que tem vindo a traduzir a Bíblia a partir do grego tem usado as redes sociais para, em tempo de estado de emergência, dar aulas de latim pela internet. “A grande surpresa tem sido a adesão. A página tem neste momento 11 mil e 100 seguidores”.

Já lá vão mais de 10 dias desde que começou as aulas virtuais de latim. Frederico Lourenço não consegue deixar de fazer um paralelismo: “Na Universidade de Coimbra abrimos para o primeiro ano da Licenciatura em Estudos Clássicos, as vagas que o Governo nos permite, que são 20 lugares. Temos sempre 20 pessoas numa aula de latim. Agora estar a dar aulas de latim para milhares de pessoas é uma situação nova e extramente estimulante.”

“Não esquecemos a importância que o latim tem nas nossas vidas, como falantes de português”, sublinha este professor universitário que mantém a atividade letiva à distância em tempo de confinamento.

Aos novos alunos de latim vai dando textos da Bíblia, Santo Agostinho e Virgílio. Lourenço refere que “há autores que podemos ler em latim que são extremamente acessíveis e que têm uma beleza estética extraordinária”.


As aulas de latim não foram, para Frederico Lourenço, um momento para matar o tempo que este isolamento profilático impõe. O autor defende que “temos de aproveitar todas as oportunidades na vida para fazer qualquer coisa da nossa consciência e de nos desenvolvermos”, porque "é essa a finalidade da vida humana, é o desenvolvimento interior”.

Há respostas na Bíblia para tudo, também para o atual momento

“A fase em que estamos agora é muito desafiante. Leva-nos a questionar muitas coisas. Aquilo que podemos todos pensar é que há coisas que têm valor e não é um valor dependente das circunstâncias”, explica Frederico Lourenço sobre o momento que o mundo, e em particular Portugal vive.

Nesta entrevista à Renascença, o tradutor da Bíblia, editada pela Quetzal, diz que estamos numa altura “em que o ser humano é posto à prova”.

No entender de Frederico Lourenço, “a resposta que os seres humanos e os governos dão e o grau de empatia que possamos ter com as situações terríveis e humanas que emergem desta situação, é um exame que o destino ou Deus nos dão”.

O ensaísta considera que estamos a ser “postos à prova para mostrarmos qual é a nossa melhor natureza”. É aqui que Frederico Lourenço deixa um alerta: “se optarmos por abandonar as pessoas, por não prestar auxílio ou deixar que as pessoas simplesmente morram sem qualquer tipo de ajuda, isso é extremamente negativo e é um voto de desconfiança no ser humano”.

Numa perspetiva esperançosa, Frederico Lourenço diz que, “de um modo geral”, tem havido uma boa resposta perante o atual quadro de pandemia. No seu entender, em Portugal devemos “todos os elogios ao Serviço Nacional de Saúde, aos médicos e enfermeiros e a todas as pessoas que estão nos hospitais”. Lourenço diz que têm sido “fantásticos”.

Covid-19, castigo divino?

Há dias, Frederico Lourenço usou a sua página de Facebook para reagir aos que considera “que têm uma visão mais fanática da religião”.

O tradutor mostra a sua discordância para com “aqueles que aproveitam estas situações para interpretar a situação como um castigo de Deus”.

Frederico Lourenço pega nas palavras de Jesus para explicar a sua discordância. “Citei uma frase muito célebre de Jesus, do Evangelho de João, quando os discípulos lhe perguntam relativamente a um doente, se o doente tinha pecado ou se, porque os seus pais tinham pecado, ele estava a sofrer a consequência do pecado dos pais? Jesus responde que nem o doente pecou, nem os pais pecaram, ou seja, não é um castigo de Deus”, explica.

O académico conclui que “Deus não está a castigar as pessoas, quando estão doentes. É preciso dissociar essa ideia” em tempo de pandemia de coronavírus.

Afastando a sugestão de uma maldição divina, Frederico Lourenço acrescenta que “nas palavras de Jesus encontramos sempre mil caminhos maravilhosos para encontrar sentido para a vida” e, por isso, lamenta “alguns movimentos cristãos mais fanáticos”, que diz existirem sobretudo fora de Portugal, e que estão a aproveitar “estas situações para espalhar esse tipo de terror psicológico entre as pessoas”. A ideia que “Deus está a castigar a Humanidade? Acho que isso não corresponde à realidade de Deus”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • assim
    13 abr, 2020 23:32
    Vós sois parvos ou querem passar por tal. Este senhor que mistura Deus com o destino não devia ter direito a umas palavras na RR. Podem continuar a censuram que eu não me importo nadinha.
  • mewtwoand
    13 abr, 2020 00:11
    Este baralha destino com Deus. Um pateta

Destaques V+