Tempo
|
A+ / A-

Pais querem garantias para o regresso às escolas a 4 de maio

03 abr, 2020 - 12:46 • Luís Aresta

Aulas presenciais no início de maio seria "um bom sinal para todos", diz a Confederação das Associações de Pais e Encarregados de Educação (CONFAP).

A+ / A-

Nada a opor, desde que não haja riscos. A Confederação das Associações de Pais e Encarregados de Educação (CONFAP) até encararia como um sinal positivo o regresso dos alunos às escolas no dia 4 de maio.

A data foi anunciada na Renascença pelo primeiro-ministro, António Costa, como o limite para que as aulas presenciais possam ser retomadas, dando continuidade ao ano letivo nas salas de aula.

"Se, na altura, estiverem garantidas todas as condições de segurança, isso será um bom sinal para todos", considera o presidente da CONFAP, Jorge Ascenção, lembrando, porém, que, "até lá, será apenas uma expectativa e teremos que ver como tudo isto se vai desenrolar para perceber se é ou não possível".

Para o presidente da CONFAP, se António Costa avançou com o limite de 4 de maio é porque "terá informações dos especialistas e da Direção Geral de Saúde, de que essa é uma data possível".

O outro lado da moeda é a possibilidade de o Governo, ao apontar para o início de maio, correr o risco de desmobilizar professores e alunos do, até lá imprescindível, ensino à distância. Neste contexto, Jorge Ascenção está convencido de que o problema não se irá colocar.

"Julgo que não. Existem orientações claras para que, após o período das férias da Páscoa, as aulas sejam retomadas com ensino à distância. Mas que a data para o regresso às escolas seja 4 de maio, estamos a falar de três semanas, nas quais há muita coisa que se pode fazer", conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    03 abr, 2020 évora 21:54
    O Ministério da Educação que recomende aos pais quem leva os meninos e meninas à escola sejam os avós . Isto de prever a abertura de escolas quando em Portugal ainda não se vê luz ao fundo do túnel , é realmente o atirar de humanos para incineradoras , tal como nos campos de concentração nazis .
  • Guiomar
    03 abr, 2020 Maia 21:11
    Garantias? Não é fácil. O governo não é bruxo. A melhor opção é, os pais ficarem em casa.
  • Marco Almeida
    03 abr, 2020 Olhão 14:47
    Agora os paizinhos dos meninos e meninas já devem de saber a estas horas o que custa aturar os mesmos, que a culpa não é dos professores e que a educação se dá em casa e não na escola, e que o seu rebento não é o anjinho que dizem ser, há males infelizmente que vêm por bem, quanto a abrir em Maio só se ninguém aprendeu nada com a situação
  • Americo
    03 abr, 2020 Leiria 13:05
    Aulas presencias a 4 de Maio ? Loucos.............