Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Ordem do Presidente das Filipinas: "Atirem a matar sobre quem desobedecer"

02 abr, 2020 - 12:45 • Redação

Rodrigo Duterte ordenou a polícias e militares para dispararem sobre quem causar problemas. “Mandarei essas pessoas para o túmulo.”

A+ / A-

Veja também:


“As minhas ordens para a polícia e para os militares são que, se houver problemas ou surgir uma situação em que as pessoas desobedeçam e as suas vidas estejam em risco, para disparem a matar”, disse o Presidente das Filipinas às forças de segurança no âmbito da pandemia do novo coronavírus.

“Está entendido?... Mortos. Em vez de causarem problemas, vou enterrá-los”, disse Rodrigo Duterte, na noite de quarta-feira, alertando para a importância de todos cumprirem a ordem de confinamento, de forma a que o frágil sistema de saúde do país não seja sobrecarregado.

Este discurso surgiu depois de se registarem vários confrontos nas ruas de Manila, que resultaram em várias detenções pela alegada falta de apoios governamentais ao nível da alimentação.

As Filipinas registaram 2.311 casos e 96 mortes, mas o país apenas agora começou a aumentar os testes e, portanto, o número de infeções confirmadas deve continuar a subir.

Cerca de metade dos perto de 110 milhões de pessoas estão em quarentena, incluindo milhões em profunda pobreza, deixados sem emprego devido às fortes restrições dos movimentos.

Ativistas de direitos humanos já condenaram o discurso agressivo e acusam o Presidente de incitar à violência. “É profundamente alarmante que o Presidente Duterte tenha estendido uma política de atirar para matar. A força mortal e não controlada nunca deve ser referida como um método para responder a uma emergência como a pandemia”, disse a Amnistia Internacional das Filipinas em comunicado.

Ao nível mundial, há mais de 900 mil infetados e mais de 47 mil mortos. Os mesmos dados mostram que perto de 200 mil pessoas recuperaram da doença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.