|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

“Amnistia de presos é oportunismo político”, diz sindicato dos magistrados

02 abr, 2020 - 14:46 • Liliana Monteiro

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público sugere libertação de reclusos que cumprem penas subsidiárias, exige ao Ministério da Justiça condições sanitárias de trabalho e acusa o Governo de estar a aproveitar a pandemia para resolver um problema que nunca resolveu: a sobrelotação.

A+ / A-

“Uma eventual proposta do Governo no sentido de concessão de um eventual perdão ou amnistia, constituirá um oportunismo político para resolver problemas que não decorrem do estado de pandemia, mas de uma total falta de investimento no sistema prisional”, afirma o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP).

É assim que o SMMP classifica a medida que o Governo estará a preparar para aliviar a sobrelotação das prisões e assim cumprir melhor as orientações sanitárias de proteção contra a Covid-19.

Numa nota divulgada nesta quinta-feira, os magistrados afirmam ainda que “a eventual opção política pelo perdão, para além de não ter um efeito tão imediato, representaria a necessidade de intervenção de um elevado número de magistrados e funcionários nos Tribunais de Execução de Penas, únicos legalmente competentes para o efeito, contrariando a exigência de contenção que a todos é pedida”.

Sublinham que o que “se exige são soluções imediatas” e por isso propõem:

1. Suspensão do cumprimento de penas de prisão subsidiária e mandados de detenção para execução da pena de prisão: deverá determinar-se a suspensão do cumprimento de mandados de detenção para execução de penas de prisão subsidiária da pena de multa e de penas de prisão efetiva até dois anos.

2. Cessação da execução das penas de prisão subsidiária que se encontrem a ser cumpridas.

3. Autorização antecipada de saída de estabelecimento prisional em presos no final de cumprimento da pena: conferir aos diretores dos estabelecimentos prisionais o poder de autorizarem os reclusos a sair do estabelecimento prisional nos últimos três meses do cumprimento da pena ou nos três últimos que antecedem os cinco sextos de penas superiores a 6 anos de prisão se os reclusos tiverem mais de 60 anos de idade ou pertençam a grupo de risco em virtude de doença que padeçam.

4. Antecipação em seis meses da apreciação da concessão da liberdade condicional se os reclusos tiverem mais de 60 anos de idade ou pertencerem a grupo de risco em virtude de doença que padeçam.

5. Concessão imediata de liberdade condicional relativamente a penas únicas de prisão não superiores a um ano.

6. Adaptação à liberdade condicional se os reclusos tiverem mais de 60 anos de idade ou pertencerem a grupo de risco em virtude de doença por um período máximo de 18 meses, ficando o condenado obrigado ao regime de permanência na habitação, com meios técnicos de controlo à distância. Devem ser excluídos os condenados que tiverem cometido os crimes especialmente graves.

Carta à ministra da Justiça

Os magistrados queixam-se de falta de condições sanitárias para exercerem a sua função nos tribunais.

Tal como a Renascença já tinha noticiado, os procuradores do Ministério Público dizem que “não existem máscaras de proteção ou luvas nos tribunais. Não são efetuadas desinfeções das instalações de forma frequente ou limpezas adequadas para eliminar o vírus, nem existe um protocolo de entrada que teste se os detidos se encontram infetados ou apresentam sintomas de tal facto”.

E dizem mais: “os locais onde os funcionários judiciais recebem o expediente e atendem quem se desloca aos tribunais em serviço urgente não possuem a necessária separação em vidro ou acrílico. O gel desinfetante ou nunca chegou aos tribunais ou aquelas embalagens que chegaram já se encontram vazias”.

O SMMP defende ainda “se devem efetuar testes antes dos detidos serem presentes a tribunal para aplicação de medidas de coação ou submetidos a julgamento sumário”.

Nesta carta dirigida à ministra Francisca Van Dunem, os procuradores lamentam também que o Conselho Superior do Ministério Público, e consequentemente a Procuradoria-Geral da República, tenham definido um regime amplo da prática de atos e realização de diligências que vai muito além do que desejável nesta fase. Algo que “exige a presença dos magistrados do Ministério Público nos tribunais com maior frequência e aumenta o risco de contágio”.

A Direção Geral da Administração da Justiça determinou, no dia 11 de março, que “só devem deslocar-se aos tribunais as pessoas que foram convocadas para diligências processuais ou que tenham motivo absolutamente inadiável que não possam tratar pelo telefone ou informaticamente”.

A decisão foi anunciada antes da declaração de estado de emergência, que foi agora prolongado até ao dia 17 de abril.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José António
    08 abr, 2020 Lisboa 01:42
    Grade Senhora, Libertem os Prisioneiros - Amnistia de Porta Aberta.......................
  • sofia
    07 abr, 2020 11:49
    Senhores Magistrados: o mundo debate-se com um problema gigante: não é só conter um vírus mortal, é também não deixar cair as estruturas económicas e sociais que ajudam a manter um mínimo de normalidade. Os senhores magistrados, acham que isso é um problema pequeno e querem arranjar um outro: a total sensação de impunidade, de que não há lei nem ordem. Aviso-vos que estamos sentados num barril de pólvora, que a epidemia não vai parar e o povo só é sereno enquanto encontra algum sentido, lógica e racionalidade nas coisas: Como explicar que há uma epidemia nas cadeias, que justifique amnistiar criminosos, quando não há um único óbito por COVID nas prisões? O que há é uma epidemia nos lares, onde já morreram dezenas de idosos que ninguém se preocupou em cuidar. Essas pessoas, (inocentes de qualquer crime), não despertaram preocupação ao Governo por, também elas, estarem presas em lares sobrelotados, muitas vezes ilegais e sem condições. A lei e a ordem tem um propósito: fazer justiça. Não queiram chegar a uma sociedade sem ordem, sem lógica, sem sentido e sem justiça. Procurem soluções proporcionais e razoáveis para os problemas. A justiça não se faz aos retalhos, só para um grupo. A justiça faz-se numa sociedade inteira! É esse o dever ético e moral de qualquer magistrado: procurar que a sociedade seja justa por inteiro.