|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Pagamentos a crédito disparam com Estado de Emergêngia

01 abr, 2020 - 11:30 • Sandra Afonso

Desde que foi declarado o Estado de Emergência, os pagamentos a crédito subiram 3% a cada dois dias.

A+ / A-
Veja também:

Os portugueses estão a usar mais o cartão de crédito. Desde que foi declarado o Estado de Emergência, os pagamentos a crédito subiram 3% a cada dois dias. Em duas semanas, o recurso a este meio de pagamento aumentou quase 16%, até ao final da segunda fase do Estado de Emergência deve ultrapassar os 32%.

As contas são da fintech EuPago, que analisou os clientes do comércio eletrónico em Portugal. Segundo esta empresa, especializada em pagamentos pela internet, os consumidores estão a trocar o PayPal e o MBway pelo cartão de crédito, que lhes permite continuarem com dinheiro disponível para gastarem em bens essenciais.

Os portugueses também estão a gastar mais, o valor médio das compras aumentou 61% nos primeiros 15 dias do Estado de Emergência. O valor médio de compras passou de 25,54 euros para 40,94 euros.

Segundo José Veiga, co-CEO da EuPago, "as pessoas estão a comprar muito, mas querem ‘segurar’ o dinheiro, e, claramente, o cartão de crédito deixou de ser um recurso residual nos sistemas de pagamento usado pelos portugueses, para assumir uma curva de crescimento bastante acentuada".

A EuPago é uma tecnológica para a área financeira, criada em 2015 no Porto, acreditada e supervisionada pelo Banco de Portugal, especializada no apoio a pagamentos pela internet. Em 2019 ultrapassou os sete milhões de transacções, com receitas de 3,4 milhões de euros.

Em Portugal, segundo o balanço feito terça-feira pela DGS, registaram-se 160 mortes e 7.443 casos de infeções confirmadas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 859 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 42 mil.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.